Olhar Conceito

Sábado, 20 de julho de 2024

Notícias | Literatura

dica de leitura

"Bonequinha de luxo" e seu final literário não tão feliz

Foto: Reprodução

Holly Goligthly, através da atriz Audry Hepburn, consagrou o estilo de vida “Bonequinha de luxo”, ou, na versão em inglês, “Breakfast at Tiffany’s”. Elegante, classuda, desorganizada, espevitada e, de certa forma, misteriosa, Holly vive uma história romântica com seu “Fred” nos filmes, agora clássico do cinema. No entanto, no livro, escrito por Truman Capote (Sim, o mesmo de “A sangue frio”), o final não é um “felizes para sempre”.


Leia mais: Para 2015: Você está convidado para um casamento real

Holly vive sozinha em Nova York com seu gato que não tem nome, pois, na sua lógica, dar nome as coisas e pessoas é como assumir a posse delas. Ela escapou da vida “besta” do interior para tentar a sorte na cidade grande. Isto nos anos da Segunda Guerra Mundial.

O apartamento de Holly não é mobiliado. As roupas estão bagunçadas e os sapatos perdidos em todos os cantos da casa. Mas de alguma forma, aquelas salas estão sempre cheias. Cheias de convidados, de estranhos que pagam para ficar com Holly, do gato que não tem nome, de fotógrafos japoneses, escritores iniciantes, de móveis improvisados e do passado mal contado da protagonista. Para aqueles que ainda não entenderam: Um dos ícones da elegância cinematográfica de atualmente trabalha como uma “prostituta” da alta sociedade de Nova York.



A linguagem da obra é trabalhada com uma mão tão leve que às vezes nos perguntamos se é realmente o mesmo Capote de “A sangue frio” que a escreveu. É tão dinâmica que, ao chegar no final da história, ficamos com a sensação de incompletude, como se tudo tivesse passado tão rápido frente aos nossos olhos que, como num truque de mágica, não conseguimos acompanhar.

E o final, para aqueles que assistiram o filme antes de ler o livro, é tão “surreal” que não conseguimos acreditar de imediato. Truman Capote nos surpreende ao colocar a carismática Holly como alguém “calculista” e fria, uma pessoa que não está interessada no “final feliz” Hollywoodiano. Para não dar spoiler caso você tenha se interessado pela leitura, vamos só dizer que, se o filme tivesse sido fiel à obra, Audry Hepburn teria visitado o Brasil.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet