Olhar Conceito

Sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

O consumo de alimentos embutidos aumenta o risco para doença do coração

Dr. Juliano Slhessarenko

03 Nov 2020 - 11:03

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

O consumo de alimentos embutidos aumenta o risco para doença do coração
Homens que comem regularmente carne processada têm maior chance de insuficiência cardíaca. Estudo sueco descobriu que salsichas e presunto aumentam o risco em homens com mais de 45 anos. Mas cortes comuns de carne vermelha, como bifes, não aumentaram o perigo. Homens que comem duas salsichas por dia têm duas vezes mais chances de morrer de insuficiência cardíaca do que aqueles que raramente comem carne processada, de acordo com um estudo.
 
Os pesquisadores suspeitam que o sal e outros produtos químicos adicionados durante o processamento causam pressão alta, o que leva à insuficiência cardíaca.
 
Comer carnes processadas, como bacon, presunto e salsichas, pode aumentar o risco de doenças cardíacas e diabetes, sugerem as pesquisas. Carnes processadas já estão associadas a uma chance maior de desenvolver câncer de intestino. Uma revisão da Harvard School of Public Health examinou 20 estudos publicados em todo o mundo envolvendo mais de um milhão de pessoas. Ele encontrou um risco 42% maior de doenças cardíacas e um risco 19% maior de diabetes tipo 2 para cada porção diária, em média, de 50g de carne processada. Uma porção de 50g equivale aproximadamente a duas fatias de bacon ou um cachorro-quente.
 
Carnes vermelhas não processadas, como boi, porco ou cordeiro, não aumentam o risco. Os pesquisadores acreditam que os níveis de sal e conservantes na carne processada podem explicar a disparidade. O estudo definiu carne processada como qualquer carne conservada por defumação, cura ou salga, ou com conservantes químicos adicionados a ela.  Essas carnes incluem bacon, salame, salsichas, cachorros-quentes e frios processados ​​ou carnes para almoço. O consumo de carnes processadas, mas não de carnes vermelhas, está associado a uma maior incidência de doença cardíaca coronária e diabetes mellitus (tipo 2).

Esses resultados destacam a necessidade de uma melhor compreensão dos mecanismos potenciais dos efeitos e de um foco particular em carnes processadas para recomendações dietéticas e políticas. Eles descobriram que os efeitos eram verdadeiros mesmo quando os fatores do estilo de vida eram levados em consideração.
 
Quando observamos os nutrientes médios em carnes vermelhas não processadas e carnes processadas consumidas no Brasil, descobrimos que eles continham quantidades médias semelhantes de gordura saturada e colesterol. Já as carnes processadas continham, em média, quatro vezes mais sódio e 50% mais conservantes de nitrato. Isso sugere que as diferenças de sal e conservantes, ao invés de gorduras, podem explicar o maior risco de doenças cardíacas e diabetes visto com carnes processadas, mas não com carnes vermelhas não processadas.
 
O sal é conhecido por aumentar a pressão arterial, o que por sua vez aumenta o risco de doenças cardíacas. Estudos em animais mostraram que os conservantes de nitrato podem causar um acúmulo de depósitos duros nas artérias e reduzir a capacidade do corpo de lidar com açúcares, o que pode aumentar o risco de doenças cardíacas e diabetes. Para diminuir o risco de ataques cardíacos e diabetes, as pessoas devem considerar quais tipos de carnes estão comendo. Carnes processadas como bacon, salame, salsichas, cachorros-quentes e frios processados ​​podem ser as mais importantes a evitar. Comer uma porção por semana ou menos estaria associado a um risco relativamente pequeno.
 
Duas fatias de bacon por dia ao longo da vida foram associadas a um aumento de 20% no risco de desenvolver câncer de intestino.
 
Os homens no Brasil comem uma média de quase 50g de carne processada por dia, em comparação com apenas 24g para as mulheres, mostram as pesquisas.  A pessoa média tem um risco de câncer de intestino de cinco em 100, mas aumenta para seis em 100 se comer 50g extras de carne processada por dia, de acordo com o World Cancer Research Fund (WCRF).

Seus cientistas estimam que cerca de 10% dos 37.000 novos casos de câncer de intestino no Mundo  a cada ano poderiam ser evitados se todos comessem menos de 70g de carne processada por semana - aproximadamente três fatias de bacon.
 
Opte por cortes magros e tente cozinhar do zero usando métodos de cozimento mais saudáveis, como grelhar ou assar.
 
Se você tem pressão alta, cuidado redobrado!
 
Bacon, salame, salsicha, presunto e afins podem parecer saborosos, mas têm altos níveis de gordura saturada também – no caso das opções com menos gordura, aí o problema é a grande quantidade de sal, e o sódio em excesso é um péssimo negócio, especialmente em termos de hipertensão arterial.

Consuma com moderação!

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet