Olhar Conceito

Sexta-feira, 03 de julho de 2020

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Nesta pandemia, seu coração merece cuidados: evite excesso de sal, açúcar e gorduras

Da Redação - Isabela Mercuri

15 Mai 2020 - 08:34

Foto: Reprodução

Nesta pandemia, seu coração merece cuidados: evite excesso de sal, açúcar e gorduras
Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, IOCI (65) 30387000 e Espaço Piu Vita (65)30567800.

A pandemia de coronavírus mudou muito nossa vida  moderna: como trabalhamos, socializamos e até como comemos.  Jantar fora é uma lembrança distante.

Leia também:
Cardiologista questiona: Onde estão todos os nossos pacientes cardiopatas?
 
Antes do surgimento do COVID-19, ficava cada vez mais claro que a qualidade da dieta e o estado nutricional dos brasileiros eram terríveis. Mais de 40% dos adultos brasileiros são obesos.  Após anos de declínio, as taxas de mortalidade por doenças cardíacas voltaram a aumentar.  O mesmo acontece com as taxas de cânceres relacionados à obesidade entre os jovens. 
 
Agora que os brasileiros estão comendo a maioria das refeições em casa, nossas dietas podem realmente melhorar?
 
Os pesquisadores estão apenas começando a estudar como as pessoas estão se alimentando durante a pandemia e embora ainda não existam dados robustos, as mudanças são óbvias.  As pessoas estão comendo quase todas as refeições em casa, o que é uma grande mudança. Por necessidade, os americanos estão cozinhando mais;  o tráfego da web para sites de culinária e receitas está aumentando.  Em uma pesquisa realizada em abril com cerca de 1.000 adultos americanos, pela empresa de comunicação de alimentos e bebidas HUNTER, cerca da metade disse que estava cozinhando e assando mais agora do que antes da pandemia, e 38% estavam pedindo menos comida e entrega.
 
É possível que uma mudança para a comida caseira, se persistir, possa eventualmente levar a reduções de doenças crônicas relacionadas à dieta, como doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão e obesidade.  Comer uma dieta saudável está ligado a uma vida mais longa, e um dos maiores preditores de uma dieta saudável é comer em casa. Os brasileiros recebem cerca de 21% de suas calorias em restaurantes - e a maioria desses alimentos é de baixa qualidade nutricional.  Os  alimentos do restaurante tendem a ser bastante prejudiciais, existem muitas variações, dependendo do restaurante e do que você pede, mas as ofertas típicas de cardápio para grandes redes, por exemplo, são ricas em sódio, calorias, gordura saturada e açúcar.  Cozinhar coloca você no controle dos ingredientes que acabam na sua refeição.
 
Além do número devastador do próprio coronavírus, as ordens de permanência em casa limitam a atividade física, o isolamento social provavelmente aumenta a solidão (que está ligada a ataques cardíacos e derrames) e a perda de emprego destrói o acesso das pessoas aos cuidados de saúde.
 
Alimentos não saudáveis ​​também estão em ampla circulação.  Farinha, açúcar, sopas enlatadas e álcool - não exatamente os alimentos básicos de uma dieta saudável - aumentaram nas vendas no Brasil durante a pandemia.  As autoridades de saúde estão incentivando os brasileiros a fazer compras com a menor frequência possível, aumentando o apelo de alimentos altamente processados, que duram mais do que frescos, mas são carregados com açúcar, gordura e sal e estão ligados a um risco maior de câncer.  O estresse da pandemia também pode fazer as pessoas quererem assar lotes de biscoitos e carregar lanches processados, já que alimentos como esses podem confortar as pessoas em tempos assustadores.
 
Só porque uma refeição é preparada em casa, isso não significa que é saudável - e nem todos têm a mesma oportunidade de preparar refeições com ingredientes saudáveis. É importante se você tiver acesso a frutas e legumes frescos, ou se tiver renda para comprar alimentos perecíveis que são menos processados ​​e menos densos em energia do que muitos dos alimentos mais processados ​​e estáveis ​​em prateleiras e altamente processados. 
 
Para as pessoas que são capazes de trabalhar em casa, mantiveram seus empregos e têm uma fonte estável de renda - e que agora não estão comendo tanto quanto antes e cozinhando mais em casa,  veremos essa relação com  melhor qualidade da dieta.  Mas para outros que perderam o emprego ou moram em bairros onde os produtos não são bem estocados ou a entrega de mercadorias não é oferecida, eles podem estar confiando ainda mais do que o habitual em alguns desses alimentos mais altamente processados ​​e com muita prateleira, estável e acessível, mas não muito bom para você.  Isso também cria uma abertura para restaurantes de fast food que estão oferecendo muitos negócios agora para preencher essa lacuna para as pessoas.
 
Por que cozinhar em casa não resolve nossos problemas e o que podemos fazer sobre isso
 
Com as crianças fora da escola e da creche, as famílias não podem mais depender do almoço ou do café da manhã para os filhos. E para os compradores com orçamento limitado, não é apenas irritante substituir ingredientes esgotados no supermercado:  é caro.  Você não pode comprar comida como costumava fazer. Todas essas coisas dificultam as famílias que já estavam lutando antes disso. Embora a pandemia dê a muitas pessoas mais tempo em casa – elas continuam a pedir comida pelo delivery e isto é uma das principais razões pelas quais as pessoas dizem que não cozinham mais - isso também é desigual.  Para trabalhadores essenciais ou pessoas que cuidam de crianças, pode não haver tempo extra para fazer compras e cozinhar.
 
Tanta variabilidade torna difícil prever como a pandemia de coronavírus mudará a maneira como os brasileiros comem, ou se essas mudanças serão permanentes. Mas uma coisa está ficando clara: a epidemia provavelmente está afetando as dietas, e nossas dietas provavelmente afetam quem morre. Pesquisas mostram que os principais fatores de risco para a internação por COVID-19 incluem condições relacionadas à dieta, como obesidade, hipertensão e diabetes tipo 2.  Se tivéssemos uma população metabolicamente saudável, o risco de hospitalização por COVID poderia ser dramaticamente menor.
 
A falta de saúde metabólica é devastadora para a resiliência da população. Precisamos de um sistema alimentar mais saudável por meio de políticas melhores, e não apenas do desastre de chance aleatória de restaurantes sendo fechados.
        
A alimentação tem uma grande parcela de responsabilidade em nossa saúde (ou na falta dela). Por isso é importante observar como você anda se alimentando.
 
Para a saúde do coração, algumas observações são essenciais na hora de escolher e preparar alimentos. Os principais vilões são: o sal, a gordura e o açúcar.
 
Sal: O sal pode ser consumido, mas não em grandes quantidades. Também é importante observar os rótulos dos produtos industrializados e procurar pela quantidade de sódio. Se for muito alta, descarte.
 
Gordura: As gorduras trans (encontradas principalmente em produtos industrializados) e saturadas (encontradas em carnes muito gordurosas, no leite integral e seus derivados e em alguns outros alimentos) são as maiores inimigas do coração.
 
Açúcar: O açúcar não contém nenhum tipo de nutriente que faz bem para o nosso corpo e é o maior causador da obesidade. O ideal é deixar de lado os açúcares presentes em produtos industrializados como bolachas, bolos, refrigerantes, sorvetes, chocolates e doces em geral e apostar nos açúcares naturais quando bater aquela vontade de comer um docinho. Frutas são a melhor saída nesse momento.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ane
    15 Mai 2020 às 11:49

    GRATA!

  • Luciana
    15 Mai 2020 às 10:55

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Redes Sociais

Sitevip Internet