Olhar Conceito

Sexta-feira, 03 de julho de 2020

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Cardiologista questiona: Onde estão todos os nossos pacientes cardiopatas?

Da Redação - Isabela Mercuri

29 Abr 2020 - 15:20

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Cardiologista questiona: Onde estão todos os nossos pacientes cardiopatas?
Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, IOCI (65) 30387000 e Espaço Piu Vita (65)30567800.

A fobia covarde está mantendo as pessoas com sintomas cardíacos graves afastadas dos Pronto Atendimentos.

Leia também:
Coronavírus e seu coração: cardiologista tira suas dúvidas
 
"Em que momento acho que está tudo bem para  ir ao pronto-socorro?" Perguntou seu João no consultório. Ele não está sozinho. Uma pesquisa realizada com nove grandes hospitais no início deste mês mostrou que o número de ataques cardíacos graves em tratamento nos hospitais dos EUA caiu quase 40% desde que o novo coronavírus ocorreu em março, deixando os cardiologistas preocupados com uma segunda onda de mortes causadas indiretamente pelo Covid- 19: pacientes com tanto medo de entrar nos hospitais que estão morrendo em casa ou esperando tanto tempo para procurar atendimento que sofrerão danos extensos em seus corações ou cérebros. Alguns chamam de "um vírus do medo".
 
Toda a comunidade está discutindo isso, perguntando: onde estão todos os nossos pacientes cardiopatas? Não fizemos nada da noite para o dia que curou doenças cardíacas.
 
Outros estão chegando tão tarde, que apresentam corações extensamente danificados, até com músculos que se romperam. Isso era algo que eu só tinha visto antes em livros didáticos, para estudar para perguntas de exames. Agora estamos vendo esses casos, porque as pessoas estão adiando o atendimento.
 
A redução acentuada de pacientes que chegam aos hospitais é intrigante e até chocante, para muitos clínicos. Alguns sugeriram que aspectos do desligamento da pandemia, incluindo diminuição da poluição do ar, menos refeições pesadas em restaurantes e menos esforço no trabalho, podem estar levando a uma redução no ataque cardíaco e na incidência de derrame. Mas outros especialistas alertam que, mesmo que esses fatores existam, eles são superados pelo estresse, isolamento, falta de exercício regular e maior ingestão de alimentos salgados, processados ​​e estáveis ​​nas prateleiras, resultantes de pedidos em casa.
 
Os cardiologistas dizem entender o medo entre seus pacientes com doenças cardíacas, pacientes que foram informados desde o início da pandemia de que eles correm maior risco de complicações e morte se contrairem o novo vírus. Queremos que eles fiquem em casa e sejam socialmente distantes. Mas não que fiquem em casa se tiverem sintomas de ataque cardíaco ou derrame. Queremos manter os pacientes seguros, mas também queremos mantê-los vivos.
 
Os pacientes também podem estar incertos quanto a procurar atendimento, porque muitos procedimentos eletivos foram cancelados ou adiados desde o início de muitos hospitais preparados para uma onda de pacientes com coronavírus. Esse aumento não se concretizou em muitos lugares, e mesmo em cidades atingidas como Nova York e Nova Orleans, o tratamento para casos de emergência nunca parou. Existe a percepção errônea de que não há recursos ou equipe para prestar atendimento de urgência ou emergência a pacientes não covídeos ou que tudo é adiado. Isso esta errado.  E o adiamento do tratamento com insuficiência cardíaca pode ser mortal.

Muitos dos pacientes "desaparecidos" podem realmente estar mortos. Os paramédicos da cidade de Nova York relataram um quadruplicar de chamadas domiciliares para sintomas cardíacos entre 30 de março e 5 de abril;  na maioria dos casos, os pacientes não puderam ser revividos. Embora algumas das fatalidades tenham sido provavelmente causadas pelo novo coronavírus, outras podem ter sido causadas por doença cardiovascular ou derrame não tratado. As mortes de pacientes cardíacos podem estar embutidas nos dados de mortalidade do Covid-19. Penso que, globalmente, veremos tendências adversas em mortes cardiovasculares devido ao fato de nossos pacientes não procurarem atendimento por causa do Covid.
  
A complexidade do atendimento cardiovascular pode se tornar muito difícil para as pessoas. O desamparo aprendido se instala, a depressão se instala e eles podem desistir.

Para os pacientes com medo de ligar para a emergência ou ir a um hospital ou consultório médico, os médicos dizem: é mais crítico do que nunca manter contato com a equipe de atendimento, mesmo que seja apenas por telefone.  Por favor, ligue e peça o que você precisa. Nós, médicos, estamos aqui e queremos ajudar nossos pacientes.
 
O medo do coronavírus está levando as pessoas com emergências com risco de vida, como um ataque cardíaco ou derrame, a ficarem em casa quando normalmente corriam para a sala de emergência, sugerem pesquisas preliminares. Sem tratamento imediato, alguns pacientes sofreram danos permanentes ou morreram.
 
As salas de emergência têm cerca da metade do número normal de pacientes, e as unidades de coração e derrame estão quase vazias, de acordo com médicos de muitos centros médicos urbanos. Alguns médicos especialistas temem que mais pessoas morram por emergências não tratadas do que pelo coronavírus.
 
Se você tem problemas cardíacos, não deixe de fazer o acompanhamento regular com seu cardiologista. Aferir a pressão regularmente, tomar os medicamentos prescritos e uma dieta regular ajudam, mas não evitam determinados problemas que merecem atenção especializada. Cuide-se! Sempre estarei aqui quando e onde precisar.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Rosino Manoel de Bonfim bonfim
    29 Abr 2020 às 22:21

    Se morrem VIRAM VÍTIMAS DA COVID-19. INDEPENDENTE DA CAUSA DA MORTE.

  • Paulo
    29 Abr 2020 às 17:46

    Pois é....estão acostumados a ficar sentados em seus consultórios....aproveitem e vão parav linha de frente....

  • Sandra
    29 Abr 2020 às 16:54

    Podem estar com Covid

  • LUIZ
    29 Abr 2020 às 16:28

    Se começar faltar clientes para os médicos a fonte de renda deles também vai secar né. Profissionais liberais estão na mesma barca da maioria da população.

Redes Sociais

Sitevip Internet