Olhar Conceito

Domingo, 15 de dezembro de 2019

Notícias / Literatura

Promotora de Justiça defensora dos direitos das mulheres toma posse como imortal nesta terça-feira

da Redação - Isabela Mercuri

12 Nov 2019 - 08:42

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Promotora de Justiça defensora dos direitos das mulheres toma posse como imortal nesta terça-feira
Acontece na noite desta terça-feira (12) a posse de Lindinalva Correia Rodrigues como imortal na Academia Mato-Grossense de Letras (AML), a partir das 19h30, na Casa Barão de Melgaço. A promotora de Justiça ocupará a cadeira número 37, que já pertenceu a nomes como Cesário Corrêa da Silva Prado, Bernardo Elias Lahdo e terá
como patrono, Antônio Vieira de Almeida.

Leia também:
"Um caso típico de homem machista", diz promotora sobre o caso do cirurgião do BBB

Lindinalva foi eleta em uma eleição considerada histórica, com oito candidatos, no último dia 20 de julho. Conhecida como a primeira promotora de justiça a aplicar a Lei Maria da Penha no Brasil, ela ganhou notoriedade nacional pela dedicação no enfrentamento aos casos de violência doméstica. A posse estava programada para acontecer em 24 de outubro, mas foi adiada para 12 de novembro.

Servidora pública há mais de 25 anos e promotora de justiça do Estado de Mato Grosso desde 1997, Lindinalva formou-se em direito em 1994, tem duas pós-graduações e atualmente faz mestrado em direitos humanos pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), onde também faz graduação em Filosofia.
 
Lindinalva concorreu para a cadeira em primeiro turno com a jornalista e historiadora Neila Barreto. As duas foram as mais votadas entre os oito candidatos concorrentes, entre eles o médico, cantor, poeta e historiador João Eloy e a desembargadora Helena Bezerra. No segundo turno, a promotora venceu com maioria dos votos.
 
Com a eleição de Lindinalva, a AML passa a ter 12 mulheres ocupando as cadeiras da instituição, são elas: Amini Haddad Campos, Elizabeth Madureira Siqueira, Luciene Carvalho, Lucinda Nogueira Persona, Maria Cristina de Aquino Campos, Marília Beatriz Figueiredo Leite, Martha Cocco, Nilza Queiroz Freire, Olga Castrillon Mendes, Sueli Batista dos Santos e Yasmin Jamil Nadaf.

“A cadeira 37 veio como um reconhecimento da minha trajetória e também como um novo desafio. Pretendo trabalhar para levar o conhecimento produzido na Academia às camadas mais humildes e ampliar publicações e campanhas que promovam a equidade de gênero”, revela a promotora de Justiça.

Após ingressar no Ministério Público, Lindinalva atuou por quase seis anos no interior, passando pelas comarcas de Água Boa, Primavera do Leste e Rondonópolis, até chegar a Cuiabá em 2003. Atualmente é titular de uma das quatro Promotorias de Combate à Violência Doméstica da capital. 
 
Entre suas obras publicadas estão o livro "Direitos Humanos das Mulheres" comentários à Lei 11.340/2006 (Lei Maria da Penha), que foi publicado pela Juruá Editora, em 2007, onde Lindinalva é co-autora juntamente com a juíza Amini Haddad Campos.

Ela também é co-autora do livro com Carmem Lucia Antunes Rocha – Ministra do Superior Tribunal Federal/STF, Amini Haddad Campos – Juíza de Direito – TJ/MT, Lourdes Bandeira – Socióloga e Professora do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília, Fausto Rodrigues de Lima – Promotor de Justiça – Membro do Núcleo de Gênero do MPDFT e outros, denominado "Violência Doméstica – Vulnerabilidade e Desafios na Intervenção Criminal e Multidisciplinar, que foi publicado pela Editora Lúmen Juris, em 2008.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Santos
    12 Nov 2019 às 10:06

    Afffffffffff essa cuiabá kkkkkkkkkkkkkkkkk.

Redes Sociais

Sitevip Internet