Olhar Conceito

Terça-feira, 03 de agosto de 2021

Notícias / Artes visuais

EXPOSIÇÃO VIRTUAL

Trocar um Fusca por um equipamento fotográfico foi a glória de Izan Petterle

Mas para os leitores do Olhar Conceito, foi mesmo aquela visão do campo que se confunde com sua trajetória que ele reservou em uma exposição virtual que segue por toda a semana. Na série "Caubóis da Água", a exuberância dos cavalos e a lida de cavalheiros se fundem em meio ao Pantanal.

Da Redação - Lidiane Barros

28 Mai 2013 - 11:18

Foto: Marcos Vegueiro

Trocar um Fusca por um equipamento fotográfico foi a decisão mais acertada de Izan Petterle

Trocar um Fusca por um equipamento fotográfico foi a decisão mais acertada de Izan Petterle

Ao deixar de comprar um Fusca para adquirir um equipamento de fotografia, Izan Petterle fez a primeira das escolhas mais acertadas de sua vida, porque sua trajetória se contrói sem medo de mudanças. Apostou quando tinha que apostar e contou com uma boa leva de sorte.

Não chegou a concluir a faculdade de Veterinária, não comprou o tal veículo, vendeu as terras que possuía no Rio Grande do Sul e veio para Mato Grosso; saiu de Chapada dos Guimarães rumo ao eixo Rio–São Paulo e deixou de ser fotógrafo amador por hobby, para se tornar amateur no mais literal sentido da palavra. “No sentido de amar o que faço”, explica Petterle. Hoje, sua arte multifacetada atende a projetos corporativos – as fotografias épicas -, artísticos e documentais. Tornou-se um dos colaboradores da revista National Geographic e claro, um dos grandes nomes do Brasil.

A vida dinâmica e as escolhas que tomou não lhe roubaram nenhuma oportunidade, afinal, ele viaja o mundo e é no seu recanto em Chapada dos Guimarães que vem para recarregar as energias, onde desde o início de sua carreira como fotógrafo cuida de gados e de cavalos. Izan tem uma vida em que tudo se explica, tudo se resolve. O campo, as viagens por outros lugares e o sonho da fotografia sempre se renovam.

Explico melhor. Ele entrou na faculdade de Veterinária em 1975 e cursou até o quarto ano. O avô, fazendeiro, deu certa vez uma quantia em dinheiro equivalente a R$ 5 mil reais para que ele comprasse um Fusca, porém, voltou com uma máquina fotográfica Pentax, três lentes e um manual de uso em espanhol.

Passo seguinte, saiu para viajar pela América Latina à La Che Guevara – um dos ícones de sua juventude – saindo de Porto Alegre em direção a Machu Pichu. Passou por seis países. “Eu tinha 18 anos, dormi em estação de trem, não sabia de nada que passava nos noticiários”. O escritor Jack Keuroac foi uma inspiração. Jimi Hendrix e Janis Joplin, também. “Fui imbuído desse espírito libertador. Para completar, durante a empreitada, leu “As Veias Abertas da América Latina” (1971), livro do uruguaio Eduardo Galeano. “O livro trata do processo de ocupação da América Latina, da riqueza de recursos. Eu ia a conhecendo um pouco da América e incursionava por meu interior”.

Depois disso, voltou para a sua cidade, Alegrete (RS). Casou-se em 1978 e foi morar na fazenda. Em 1981 vendeu suas terras e quis reviver a última viagem. “Chapada dos Guimarães representa um estilo de vida tal qual Machu Pichu. É um município entre o universo mítico de vários Machu Pichus”.

Em Chapada, entre a lida no campo e os cuidados com a família, retomou a fotografia, depois que uma conhecida levou fotografias de Petterle para apresentar um trabalho em São Francisco, na Califórnia. Izan foi junto. Lá, o diretor do instituto que acolheu a pesquisa da amiga se encantou e foi parabenizá-lo.

“Esse foi um daqueles pontos de virada. Eu disse para mim: ‘eu fotografava sem pretensão alguma e esse cara disse que eu sou fotógrafo e eu estou me dedicando a outras coisas’”. Alguma coisa mudou, mais uma vez. “Voltei de lá com um equipamento profissional e filmes de slides. Todo o tempo livre nos anos de 1996 e 1997 voltei para a fotografia”. Foi ainda neste período que a sorte lhe sorriu mais uma vez. O fotógrafo Walter Firmo era entrevistado do programa Sem Censura, da TV Cultura e comentou durante o programa que viria a Cuiabá.

À época ele trabalhava também como curador de fotografia da Funarte. Izan mais que rápido conseguiu contato e foi encontrá-lo em uma festa de São Gonçalo, à beira do rio. Ao avaliar as cartelas de cromo que Izan havia levado, Firmo disse: “Não quero mais olhar seu trabalho”. Antes que Izan sofresse mais um pouco, completou: “Conheço um músico só pelos primeiros acordes. Mas você tem que ir embora daqui”.

Apostando mais uma vez, foi dar início à sua carreira. Junto à mulher e os filhos, foi para o Rio de Janeiro, e se estabeleceu em São Paulo. “Vou investir no trabalho e na educação dos filhos”.

Para se diferenciar e chamar atenção em um espaço onde existem milhares de pessoas fazendo a mesma coisa e por vezes até mais capazes, resolveu  - assim como em Machu Pichu -, mergulhar em seu universo. “Toda a minha vida foi no interior do Brasil, montava a cavalo, vive no campo. Foi aí que passei a me dedicar aos peões brasileiros, até chegar à cavalhada”. O próximo passo foi levar às fotos até a redação da National Geographic. A revista acabava de chegar ao Brasil. “Vendo as fotos, a editora à época, Marina Moraes me perguntou: ‘onde é que você andava’?”

Atualmente, quem apoia suas investidas fotográficas é o atual editor da National Geographic, Ronaldo Ribeiro. Apostando em novo viés, de 2008 a 2010 registrou a ampliação das redes de metrô em São Paulo, a pedido da agência do publicitário Duda Mendonça. O trabalho vultuoso rendeu outro convite: registrar portos de embarque. “Cada vez mais as empresas tem buscado a linguagem autoral. As imagens são de grande impacto e representam a mutação do país, a realidade em transformação. Esse trabalho me traz muito prazer porque abarca questões antropológicas do mundo contemporâneo”.

Mas para os leitores do Olhar Conceito, foi mesmo aquela visão do campo que se confunde com sua trajetória que ele reservou em uma exposição virtual que segue por toda a semana. Na série "Caubóis da Água", a exuberância dos cavalos e a lida de cavalheiros se fundem em meio ao Pantanal. Além disso, imagens de sua passagem por Cuba, Bolívia e alguns momentos em Chapada dos Guimarães.

Confira as belas imagens!

Saiba mais sobre Izan:
Blog no site da National Geographic
Site oficial




Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet