Olhar Conceito

Quarta-feira, 22 de maio de 2024

Notícias | Turismo

passagem por cuiabá

Casal nômade com quase 300 mil seguidores atravessa Brasil de ônibus: ‘amamos o bolo de arroz’

Foto: Reprodução

Casal nômade com quase 300 mil seguidores atravessa Brasil de ônibus: ‘amamos o bolo de arroz’
Há nove dias, a economista Marina Guaragna, de 28 anos, e o namorado William Ritt, de 38, saíram de Porto Alegre (RS), onde nasceram, para embarcar na aventura de cruzar o Brasil de ônibus. O objetivo do casal é chegar em São Luís (MA) e, durante o caminho, eles compartilham com quase 300 mil seguidores a cultura e a gastronomia de cada cantinho por onde passam. 


Leia também
Gerente faz 'trolagem', se veste de noiva e surpreende amigo no dia do casamento em MT; veja vídeo


A aventura já levou Marina e William para Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul. Agora, eles estão em Mato Grosso e já se impressionaram com a beleza de Chapada dos Guimarães (64 km de Cuiabá), onde estiveram nesta semana. Em Cuiabá, eles já conheceram pontos turísticos, com direito a provar o tradicional bolo de arroz e tomar cerveja gelada no Choppão e no Bar do Régis. 

“A Chapada dos Guimarães é lindíssima, a gente se apaixonou pelo Parque Nacional. Gostamos muito dos parques nacionais, que são administrados e protegidos pelo ICMBio. Acreditamos muito nisso. Em Cuiabá já fomos conhecer o Mercado do Porto, comemos furrundu, pixé e o bolo de arroz cuiabano, que amamos”, conta Marina. 

Marina e o namorado são veganos, por isso provaram baguncinha vegano da Veganeira, em Cuiabá. (Foto: Arquivo pessoal)

Como ela e William são veganos, eles optaram por provar os pratos típicos que fossem compatíveis com a ideologia que seguem, pautada no consumo ético e responsável. Nesta quarta-feira (26), por exemplo, o casal experimentou uma versão vegana do baguncinha na Veganeira, em Cuiabá.

“Estamos fazendo um quadro para conhecer as expressões e termos locais. Crescemos [no Instagram] provando comidas de rua de diferentes países. Não conhecia Mato Grosso, então é tudo novo para mim”. 

Marina e o namorado estão percorrendo a maior linha de ônibus do Brasil em uma viagem que deve durar 18 dias no total. Nesta quinta-feira (27), eles pegaram estrada em direção ao Pará, onde pretendem conhecer Santarém e Alter do Chão. 

“Depois vamos para São Luiz e para os Lençóis Maranhenses. Essa viagem deve durar 18 dias no total, porque depois temos uma passagem comprada para fazer uma viagem para a América Latina”. 
 

Três anos como viajantes 

Viajando juntos pelo mundo há três anos, Marina e William já passaram pelo México, Nepal, Vietnã, Tailândia, Costa Rica, Honduras, Nicarágua, Coréia do Sul e Índia. O projeto de conhecer as diferentes culturas que existem pelo mundo começou por acaso, quando o contrato de aluguel de Marina chegou ao fim. 

Durante todo o período, ela conciliava o trabalho como redatora publicitária e gerente de uma empresa de marketing digital com a vida de viajante, já que trabalhava de forma remota. Com o fim do contrato de aluguel, ele e o namorado decidiram deixar o apartamento para passarem dois meses no México.

O plano era alugar outro imóvel quando retornassem, mas a viagem se estendeu por oito meses e terminou com o casal cruzando a América Central de ônibus até voltarem ao Brasil. 

“Quando a gente estava lá, nossas passagens de volta foram canceladas. Decidimos cruzar toda a América Central de ônibus até chegar no Brasil. Foram oito meses de viagem e trabalhando ao mesmo tempo. Foi quando realmente me tornei nômade digital. Então, nunca larguei tudo, sempre estive trabalhando”. 

Na vida como nômade digital, Marina precisou se adaptar para conseguir conciliar o trabalho remoto, que antes era feito em casa, e as viagens. Ela explica que, no início, ela e William chegaram a passar mais de uma semana na mesma cidade para que a demanda profissional fosse atendida. 

Em Chapada dos Guimarães, o casal conheceu cachoreiras e o Parque Nacional. (Foto: Arquivo pessoal)

Marina deixou o trabalho de redatora publicitária para investir na vida de influenciadora digital apenas neste mês. O crescimento da gaúcha no Instagram aconteceu de forma veloz e surpreendente. Em apenas quatro meses, ela saltou de pouco mais de 3 mil seguidores para 268 mil. 

“Foi um crescimento super rápido, que foi o momento que vi que teria que largar o emprego para me dedicar ao negócio. Foi quando vi que não dava mais para conciliar e larguei a empresa que trabalhava para me dedicar inteiramente ao Instagram com a produção de conteúdo. Meu namorado é meu sócio, trabalhamos e fazemos juntos”. 

Marina cita a Índia e o Vietnã como dois dos países que mais marcaram os três anos de viagem. Na índia, ela e William conheceram Malana, uma comunidade em que os moradores acreditam ser descendentes de Alexandre, o Grande. Por isso, eles não podem ser tocados pelos turistas e existe até uma multa prevista caso a crença seja desrespeitada. 

“Gosto muito de receber um choque cultural e conhecer outras culturas. Para mim, quanto mais característico for a cultura e mais longe for do que estou acostumada, é o que mais gosto de ver. A Índia tem muito isso, não existe tu ir para a Índia e não aprender, porque é uma cultura completamente diferente. Tudo que tu vai fazer é diferente, qualquer passeio na rua vira uma experiência antropológica”.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet