Olhar Conceito

Notícias / Carreira

World Press Photo

Série de fotos do Pantanal em chamas vence categoria na maior premiação do mundo

Da Redação - José Lucas Salvani

15 Abr 2021 - 17:45

Foto: Lalo de Almeida

Série de fotos do Pantanal em chamas vence categoria na maior premiação do mundo
O fotógrafo da Folha de São Paulo, Lalo de Almeida, venceu a categoria Meio Ambiente, do World Press Photo, a maior premiação de fotojornalismo do mundo, nesta quinta-feira (15). Lalo recebeu o prêmio pela série “Pantanal de Mato Grosso do Sul em Chamas”.

Leia também:
Relembre os impactos das queimadas no Pantanal e assista ao relato de fotógrafo que acompanhou destruição de perto

“A Amazônia sempre chama mais atenção do que os outros biomas. Acho que, por isso, o fogo no Pantanal demorou para entrar nas prioridades de cobertura”, pontuou Lalo à Folha de São Paulo. “Fomos vendo muitos bichos morrendo na nossa frente. O gado das fazendas que tinham as patas queimadas não conseguiam ficar em pé e morriam um atrás do outro”, completou.

Durante 2020, o número de focos de calor também cresceu em toda região do Pantanal Mato-grossense. Dados do Instituto Centro Vida (ICV) apontam que entre janeiro a 15 de novembro de 2020 foram registrados 13.093 focos de calor neste bioma. Já os focos de calor no Cerrado chegaram em 13.712, enquanto na Amazônia mato-grossense são 20.291 focos. Confira abaixo o comparativo dos últimos três anos.

Símbolos da destruição

Os animais foram os principais atingidos pelos incêndios. Batizada como Ousado, a imagem de uma onça-pintada estampou inúmeras campanhas de arrecadação de fundos para recuperação e manutenção do bioma. O final de sua batalha foi feliz e, em outubro, a onça foi solta em seu habitat natural.

O mesmo final não poderá ser esperado para Amanaci. Curada após mais de 70 dias depois do resgate, onça-pintada não tem mais condições de voltar a viver livre na natureza, já que perdeu funções que a impedem de executar funções básicas para sua sobrevivência, como caçar e escalar, explicou o veterinário Thiago Luczinski, no início de dezembro.

Para tentar minimizar os impactos negativos na fauna, o Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), criou o Posto de Atendimento a Animais Silvestres (PAEAS), localizado no quilômetro 17 da Transpantaneira, que liga o município de Poconé (a 102 km de Cuiabá) a Porto Jofre. Segundo a Pasta, o PAEAS resgatou mais de 190 animais feridos das queimadas.

Leia a reportagem da Folha de São Paulo na íntegra aqui.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet