Olhar Conceito

Quinta-feira, 09 de abril de 2020

Notícias / Comportamento

Você sabe o que é sororidade? Buscas pela palavra aumentaram 250% após citação no BBB

da Redação - Isabela Mercuri

14 Fev 2020 - 13:58

Foto: Reprodução / TV Globo

Manu Gavassi disse o termo e fez as buscas aumentarem

Manu Gavassi disse o termo e fez as buscas aumentarem

No último domingo (9), a cantora Manu Gavassi, uma das participantes da 20ª edição do reality show Big Brother Brasil, deu uma resposta ‘ácida’ ao indicar Felipe Prior para o paredão. Ela disse que era uma ‘questão de sororidade’, e que ele poderia aprender o significado da palavra quando saísse da casa. Quem estava do lado de cá da telinha não perdeu tempo, e, segundo o Google, as buscas pelo termo aumentaram 250% em duas horas. Mas, afinal, o que é sororidade?

Leia também:
Primeiro mestrado em comunicação de MT tem inscrições abertas; aulas serão à noite

Sororidade é, basicamente, a ideia da relação de união, irmandade, afeto e amizade entre mulheres. O termo é usado pelos movimentos feministas como contrário à ideia de que as mulheres vivem em constante rivalidade, como explica a professora de Comunicação Social da Universidade Federal de Mato Grosso e estudiosa de gênero Tamires Ferrera Coêlho:

“Nos últimos 20, 30 anos tem se refletido muito sobre o impacto de determinados comportamentos sociais que visam o isolamento da mulher na sociedade, dificultando que elas se juntem associativamente. E aí, dentro dessa perspectiva, se começou a trabalhar o conceito de sororidade justamente como um questionamento a essa ideia da disputa feminina, da rivalidade, como algo que foi criado culturalmente, socialmente, para isolar as mulheres e não permitir que elas se organizem para exigir seus direitos”, explica.

Apesar de o termo ser relativamente novo, a ideia de sororidade já existe há muito tempo. Segundo Tamires, algumas pesquisas mostram que as relações de ajuda mútua entre mulheres são comuns principalmente em povos tradicionais, como indígenas e africanos. “Embora o conceito em si não se chame sororidade, muitas vezes – às vezes se chama, mas às vezes não – a ideia de sororidade está muito presente nessas matrizes. De ajuda, de solidariedade, de não individualizar o problema, não trazer para a esfera do indivíduo, mas pensar em um problema como coletivo”.



Feminismo e o BBB

O que Manu Gavassi quis dizer, então, é que estava votando em Prior em solidariedade, ou mesmo ajuda, a outras mulheres da casa. Esta fala, no entanto, não foi isolada. Tamires, que é doutora em Comunicação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), fez estágio doutoral na Sorbonne, e é mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) garante que a discussão sobre gênero é uma marca desta edição do Big Brother Brasil.

“Essa diversidade dos participantes, esses perfis, tem sido reflexo de uma série de diagnósticos das bolhas em que a gente vive, das divergências de pensamentos, e dos posicionamentos – porque afinal de contas a gente está numa sociedade cada vez mais polarizada, então os pensamentos e posicionamentos tem sido cada vez mais explícitos”, explica. “Mas acho também que ao acontecer isso dentro de um programa como o Big Brother, em que os holofotes estão todos voltados praquelas discussões, (...) o que é discutido ali dentro tem uma potência de aflorar e de aprofundar essas discussões fora dali”.

O caso da ‘sororidade’ é apenas um dos exemplos desse aprofundamento que as pessoas buscaram após o programa. Para a professora, esta é até uma forma de chegar a muito mais gente. “Embora a gente saiba que tem muita coisa ali que é dirigida, produzida, editada, inclusive, e a construção da narrativa passa muito pela edição das falas, existe esse imaginário de que o que está acontecendo ali é real”, afirma. “E eu acho que a gente tem um ganho muito grande ao se trazer esses debates que não são provocados necessariamente por uma instância acadêmica. Não é o feminismo da academia, não é o feminismo do movimento social. Porque eles circulam em alguns espaços, mas tem muita resistência em outros. Então ter esse debate ali, na TV aberta, traz uma dimensão também de difusão desse tipo de debate para outros espaços”.

Desta forma, o contrário também acontece: além de o BBB provocar discussões no público, também faz com que a academia passe a refletir. “Eu particularmente acredito que faz com que os movimentos sociais, de uma forma geral, e os movimentos feministas comecem a olhar pra esses programas não como algo inferior, menor, mas como um espaço onde estes debates podem ser instaurados”, finaliza.

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Angelo
    16 Fev 2020 às 09:53

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Ursula Mattos
    16 Fev 2020 às 07:24

    Geração atual é parasita. Não sai da casa de pais. Quociente de inteligência caiu, assistem BBB. São vegetais.

  • Jorge
    15 Fev 2020 às 18:59

    Resumindo, lacração.

  • Fernando Mendes
    15 Fev 2020 às 07:17

    Como todo aspirante a filósofo popular....fala muito mais não diz nada.... infelizmente...

  • Caio Santos
    15 Fev 2020 às 01:53

    Sororidade é o paciente que compartilha seu soro com o outro.. -)

  • Dudu
    14 Fev 2020 às 23:16

    Nada que uma polchete nova não resolva!

  • Jacira Ursal
    14 Fev 2020 às 17:36

    Sororidade com conservadoras de direita é sororidade entre víboras. Fascista não tem direito a tolerância porque é crime. O neofascismo de Moro, Bozo e sequazes se esconde fingindo q é outra coisa - mero “pensamento diferente”. Não é. É genocida. E quando pego se defende usando moralismo barato.

  • Estela Bezerra
    14 Fev 2020 às 17:06

    Há parasitas fora do serviço público.

  • Eleitor
    14 Fev 2020 às 15:02

    A famigerada "sororidade" acaba tão logo a patrulha feminista identifique que a "irmã" é, na verdade, uma mulher independente e que defende ideais de direita, não se filiando à imbecilidade hegemônica do "movimento". Vide a ex-jogadora de vôlei Ana Paula Henkel, frequentemente atacada nas redes sociais por ser declaradamente conversadora e de direita. Nessas situações. Ou então a passividade (pra não dizer conivência) das feministas quando ofensas são proferidas contra mulheres pelas "pessoas do bem", como o ator José de Abreu.

  • Sandra Nogueira
    14 Fev 2020 às 14:35

    Vegetais assistem essa porcaria da globolixo.

Redes Sociais

Sitevip Internet