Olhar Conceito

Segunda-feira, 09 de dezembro de 2019

Notícias / Cinema

Longa-metragem de estreia de cineasta cuiabano é selecionado para festivais nacionais

da Redação - Isabela Mercuri

17 Nov 2019 - 10:28

Foto: da Assessoria

Longa-metragem de estreia de cineasta cuiabano é selecionado para festivais nacionais
O longa-metragem ‘A Batalha de Shangri-lá’, gravado em Cuiabá, Chapada dos Guimarães, Campo Verde, Nova Brasilândia e Santo Antônio do Leverger e dirigido pelo mato-grossense Severino Neto participa, ainda neste mês de novembro, de dois festivais de cinema nacionais, o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e o Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade (São Paulo), nos dias 30 e 17, respectivamente.

Leia também:
Mostra de cinema que premiou documentário sobre Mata Cavalo começa nesta quinta-feira
 
O filme conta a história de João que, depois da morte de seu pai adotivo, parte em busca de sua mãe biológica, que o abandonou há quase 40 anos no interior de Mato Grosso. Numa viagem por um Brasil profundo, ele conhece sua cidade natal e pessoas que fizeram parte do passado da mulher a quem ele procura.
 
As pistas encontradas nessa pequena cidade o levam de volta à capital Cuiabá, mas, também, o envolvem por caminhos físicos e emocionais que alteram suas convicções e preconceitos. A produção toca em temas atuais, mas difíceis de lidar, como violência familiar e social e a sexualidade em evidência. O filme é um drama, com pitadas de suspense e tragédia, que possui nuances e camadas complexas, desvendadas passo a passo.
 
Ele é a estreia do publicitário roteirista e cineasta mato-grossense Severino Neto na direção de longas, e conta também com a parceria do codiretor Rafael de Carvalho. Severino é formado em Publicidade e Propaganda e especialista em Cinema.
 
O cineasta já teve curtas selecionados para vários festivais, com inúmeras premiações. Seu primeiro curta-metragem de ficção, “3,60”, foi vencedor de seis prêmios. Já o curta-metragem documental “Composto” foi selecionado em 37 festivas, ganhou seis prêmios internacionais e foi adquirido pelo Canal Brasil.
 
O último curta-metragem de ficção, “Juba”, foi selecionado em 26 festivais e também ganhou vários prêmios. Seu novo roteiro de curta-metragem ficcional, “Mata Grande”, foi selecionado para o Labex no 28º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e ganhou o prêmio TNT Labex-Curta Kinoforum.
 
O roteiro de a “A Batalha de Shangri-Lá” foi selecionado em Madri, Espanha, na 13ª edição do concorrido Ibermedia (programa de incentivo à co-produção de filmes de ficção e documentários realizados na comunidade Ibero-Americana), e também venceu o primeiro edital de produção Ancine/FSA.
 
No Ibermedia, o roteiro de fato nasceu. “Meus consultores foram Karim Ainouz e Tomas Aragay, dois baitas roteiristas, graças a isso o filme existe. O Ibermedia é importante, porque é um grande Laboratório de Desenvolvimento de Roteiro, um dos maiores do mundo, que abrange toda a América Latina, mais Portugal e Espanha”, explica Severino.
 
Roterista e diretor, Karim Ainouz é diretor de “A Vida Invisível”, produção brasileira indicada a concorrer ao Oscar de Filme Estrangeiro, é também responsável por filmes como “Madame Satã” e “O Céu de Sueli”. Já Tomas Aragay é um escritor e roteirista espanhol, vencedor do prêmio Goya de Melhor Roteiro Original por Truman (com Ricardo Darin).
 
O longa conta com nomes conhecidos no elenco principal, como a atriz Ingra Liberato, que entre outras novelas globais fez “Ana Raio e Zé Trovão”, “Tieta” e “Segundo Sol”; o ator Gustavo Machado cuja longa carreira no cinema inclui os filmes “Chacrinha”, “Elis”, “Bruna Surfistinha” e “As Melhores Coisas do Mundo”, além de novelas como “A Força do Querer”, “Além do Tempo” e “Sete Vidas” - atualmente Gustavo pode ser visto na série “Coisa Mais Linda”, da Netflix; e Maria Ceiça da série “Sobre Pressão”, da Globo. Ceiça também estrelou novelas de sucesso como "Por Amor" e as séries "Chiquinha Gonzaga" e "Filhas do Vento" e os filmes "Se eu Fosse Você", “Orfeu” e “Carlota Joaquina”. A equipe de produção é quase que 80% local.
 
“Um amigo me perguntou quanto tempo eu demorei para escrever este meu primeiro longa de ficção. Eu respondi que foram 38 anos, minha idade. Ele sorriu, consentiu com a cabeça e me deu um abraço. Aquilo me fez ter certeza de que cinema é muito mais do que um conjunto de regras narrativas”, explica o cineasta.
 
“Cinema é pegar tudo que você viveu e viu, tudo que te emocionou, te fez sofrer, tudo que faz sentido ou não, tudo que te incomoda. Cinema é sua voz, sua opinião, sua ideologia. É responsabilidade com o seu entorno e uma crítica sobre o que você considera belo, intrigante, errado ou absurdo”, acrescenta. Ainda não há previsão de lançamento do filme em Mato Grosso.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet