Olhar Conceito

Quinta-feira, 20 de junho de 2019

Notícias / Diversão e Lazer

Filha de campeões de gafieira e nascido no ‘Unidos do Araés’: conheça a rainha e o rei do Carnaval 2019

Da Redação - Isabela Mercuri

12 Fev 2019 - 17:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Filha de campeões de gafieira e nascido no ‘Unidos do Araés’: conheça a rainha e o rei do Carnaval 2019
O som da bateria nunca foi incômodo para o cuiabano Daniel Vitor, 25. Nascido no Araés, e filho de alguns dos pioneiros do local, ele nem se lembra da primeira vez que pisou em um ensaio do bloco do bairro. Na última quinta-feira (7), foi eleito – pela segunda vez – Rei Momo e, junto à rainha Izzy Lima, vai representar a cidade no Carnaval de 2019.

Leia também:
Rei e rainha do Carnaval de 300 anos de Cuiabá são escolhidos em evento na Orla

“Minha família é de sambistas, era diretora do bloco Urubu Cheiroso, passou a ser Tradição do Araés e agora Unidos do Araés, então tem toda uma geração... e eu já me encaixei desde pequeno”, contou ao Olhar Conceito.

Daniel era passista da escola, que antes se chamava Tradição do Araés, e venceu o concurso em 2014, quando foi coroado, ao mesmo tempo, rei do Carnaval e rei da Copa. Mas ele não ficou satisfeito, tentou novamente em 2017, quando não venceu, até que a coroa voltou para suas mãos em 2019.

Segundo o cuiabano, o essencial para sua vitória foi a resposta à pergunta sobre qual era o significado dos 300 anos da cidade. “Pra mim é muito fácil falar sobre os 300 anos, porque eu atuo no movimento social em Cuiabá, atuo no movimento estudantil, e sou bem influente na cidade. Pra mim foi um pouco mais fácil, e eu acho que aí que eu consegui me destacar mais que os outros”. Além de Daniel, outros 11 rapazes disputavam o título de rei Momo.

O número de candidatas a Rainha do Carnaval era menor, e a experiência de Izzy Lima, 39, era grande. Várzea-grandense de nascimento, ela é filha de mãe cearense e pai baiano, e também conviveu com o samba desde criança: em 1973, os pais foram campeões de gafieira na capital mato-grossense.

“Eu danço carnaval desde pequenininha, sempre gostei de samba! Sempre gostei de participar, todas as vezes quando era criança, ia nos três dias de festa, que na época era no Sesi”, lembra. Em sua trajetória, já foi passista e rainha de bateria do bloco Banana da Terra, e em 1999 chegou a ser candidata a Rainha do Carnaval de Cuiabá, aos 19 anos, mas perdeu.

Foram vinte anos até chegar a vitória. Neste meio tempo, Izzy fez um workshop de samba com Evelyn Bastos, a rainha da Mangueira, e neste ano foi convidada pelo Unidos do Araés para desfilar com o bloco.

Sobre a vitória, ela também acredita que se saiu bem na resposta, mas não só isso: “Eu me destaquei pelo samba no pé, pela elegância, simpatia, ousadia na passarela, e também pela pergunta. Acho que eu me saí muito bem nessa parte. Eu falei que os 300 anos representam a cultura popular, como as tradições das festas daqui, o cururu e o siriri, e também das pessoas, que quando vem pra Cuiabá tem aquela vontade de voltar porque tudo aqui encanta, não só as pessoas que são hospitaleiras, mas a própria culinária daqui que encanta também”.

Concurso

A escolha do rei e da rainha do Carnaval 2019 aconteceu na última quinta-feira (7). O evento foi comandado por Edson Guilherme, e aconteceu no Espaço Liu Arruda, na Orla do Porto. Uma comissão técnica montada pela Secretaria Extraordinária dos 300 Anos foi responsável por analisar desenvoltura (atitude, postura, simpatia e elegância) e apresentação (criatividade e empolgação) dos candidatos. Além disso, todos os trajes utilizados pelos concorrentes foram feitos por artistas locais, e cedidos pela Prefeitura.

“Porque da produção igual pra todos? Eu quis homenagear a cultura mais rica do estado, que é o siriri e o cururu, que são conhecidos mundialmente. Nós fizemos uma homenagem a eles. Coloquei todas as candidatas de chitão, saias godês, tentei fazer um look conceitual para que as rainhas e reis do carnaval homenageassem a cultura tão rica”, explica Edson.

Agora, Izzy e Daniel terão que trabalhar duro nos cinco dias de folia. “O papel do rei e da rainha é de receber os foliões nos quatro dias de carnaval. Eles vão visitar todos os bailes de carnaval que acontecem dentro de Cuiabá, vão na Guia... A gente vai fazer uma turnê a partir da sexta-feira de carnaval, até o dia 5. Eles vão estar todos os dias com uma equipe, com uma estrutura bacana para os dois, pra gente mostrar à população o rei e a rainha, mas o mais importante é mostrar o nível que está acontecendo todo esse evento”, garante o organizador.

O tradicional desfile dos blocos de carnaval, neste ano, acontecerá na terça-feira, dia 5. No entanto, ainda não há mais informações sobre o local e horário, e nem sobre os outros dias de festa na capital.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • leia de Almeida
    12 Fev 2019 às 21:27

    Na minha epoca os rei momos eram obesos. Mas era uma epoca onde não havia tanta crise e as pessoas se alimentavam bem!

Redes Sociais

Sitevip Internet