Olhar Conceito

Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Notícias | Literatura

na ufmt

Jornalista Breno Altman vem a Cuiabá para lançamento do livro 'Contra o Sionismo'

Foto: Reprodução

Jornalista Breno Altman vem a Cuiabá para lançamento do livro 'Contra o Sionismo'
O jornalista Breno Altman vem a Cuiabá na próxima terça-feira (4), para o lançamento do livro "Contra o Sionismo - Retrato de uma Doutrina Colonial e Racista", às 19h, no auditório da Adufmat, na UFMT. O evento é gratuito e aberto ao público. 


Leia também 
SeduSamba leva melhor do pagode em evento com comida de boteco na Arena Bar

Além de lançar o livro, Altman participa de um bate papo gratuito sobre a história do sionismo na Europa e nas terras palestinas, onde a doutrina política chegou à sua maior representação: o genocídio em curso do povo palestino em Gaza.

Com mediação do fotógrafo e jornalista Ahmad Jarrah, a mesa conta com a presença da professora doutora do Departamento de História da UFMT, Ana Maria Marques, e do diretor da Sociedade Beneficente Muçulmana de Cuiabá, Assan Salim.

Lançado em dezembro do ano passado, "Contra o Sionismo" é resultado do acúmulo de debates, entrevistas e análises com especialistas sobre o contexto da nova agressão promovida por Israel.

O lançamento é uma realização do Comitê Mato-grossense em Defesa da Palestina e do ANDES - Sindicato Nacional Dos Docentes Das Instituições De Ensino Superior, com apoio da Adufmat, Sintuf e Tcha por Discos.

O autor

Breno Altman é fundador do site Opera Mundi e judeu antissionista. Ele denuncia o apartheid e os massacres contra o povo palestino desde o início de seu trabalho como jornalista. Por conta disso, Altman vem sofrendo uma série de perseguições, encaradas por ele como censura, e recentemente foi alvo de um inquérito da Polícia Federal em resposta a uma denúncia da Confederação Israelita do Brasil (Conib).

Ele já responde a diversos processos protocolados pela entidade, que afirma que críticas ao estado israelense são antissemitas. "O sionismo não é igual ao judaísmo, ao contrário do que as entidades sionistas e o estado de Israel querem fazer crer. O sionismo é apenas uma corrente político-ideológica surgida no final do século XIX e que, a partir da metade do século XX, se constituiu na corrente majoritária entre os judeus, particularmente no que era a Palestina. Essa corrente tem dois princípios fundamentais: a criação de um estado étnico de supremacia racial; e que esse estado fosse construído na Palestina ", diferencia o jornalista.

Genocídio em Gaza

A resposta israelense à incursão dos diversos grupos da resistência armada de Gaza em 7 de outubro, visando a apreensão de reféns para libertar presos políticos palestinos de Israel, não segue as leis internacionais de territórios ocupados, guerra, direitos humanos e genocídio de acordo com a ONU e as cortes internacionais criminal e de justiça.

Em 238 dias de guerra na Faixa de Gaza, Israel realizou 3.191 massacres, resultando em 45.800 mortos e desaparecidos e 80.200 feridos. Até agora, foram encontradas 7 valas comuns com 520 corpos de palestinos.
Israel também destruiu 421 escolas e universidades, 384 unidades habitacionais, 248 unidades de saúde, sendo 33 hospitais, e 189 sedes governamentais. Ao todo, 493 profissionais da saúde, 69 agentes da defesa civil e 147 jornalistas foram assassinados.

Sarau da Resistência Palestina

Após o lançamento de "Contra o Sionismo", será realizado um sarau no sebo Tcha Por Discos, na avenida Edgar Vieira, no bairro Boa Esperança, em Cuiabá, dando continuidade aos autógrafos e vendas do livro a partir das 22h. A banda 47 Cromossomos também realizará uma apresentação de canções e poesias sobre a resistência popular e da Palestina. 
 
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet