Olhar Conceito

Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Notícias | Artes visuais

FACIENDA

BRECHÓCollectives estreia espetáculo de dança na Casa Cuiabana este fim de semana

Foto: Maria Cláudia Reis

BRECHÓCollectives estreia espetáculo de dança na Casa Cuiabana este fim de semana
De volta a Mato Grosso após um período de intercâmbio e pesquisa no Ceará, o designer e performer Lucas Koester retorna a Cuiabá com novo solo presencial, no ano em que comemora 10 anos como coreógrafo a frente do coletivo imaginário flutuante BRECHÓCollectives. Por meio de um financiamento coletivo que segue aberto, Lucas  procura engordar a Vakinha para a estreia neste fim de semana com o solo  “FACIENDA”: uma dança celebração húmus sapiens, de sabedoria de lida com a terra, de agradecimento ao sustento que vem da coleta do plantio, do cultivo. O espetáculo será apresentado pelo artista nos dias 6 e 7 de agosto, no espaço Casa Cuiabana, a partir das 17h30. Os ingressos que serão vendidos no local custam $20, ou, meia solidária $10 + doação de Alimento não perecível e itens de higiene destinados ao coletivo Casa das Pretas para distribuição.
 
 Leia mais: 
Cabelereiro retoma venda de banoffe e reacende sonho de ter doceria
 
Em 2012, fruto de uma residência artística com Clara Trigo (BA), Lucas Koester, Elka Victorino, João Manuel Mota e Maiara Barbant estrearam o BRECHÓ, como primeiro experimento cênico nas fronteiras dança/moda que viria, posteriormente, nomear o coletivo flutuante, que a cada trabalho passa por variadas formações, entre fotógrafos, figurinistas, performers e artistas visuais.
 
Ao fim de 2021, devido a uma série de situações e tristezas que tocaram grande parte dos artistas brasileiros, o corógrafo tentou suicídio em Fortaleza. Lucas foi socorrido por amigos e resgatado pela família.  Ele foi levado a uma comunidade terapeutica em Poconé, onde passou de dezembro a março de 2022.
 
Durante o período na fazenda, reativando a ligação com a terra e afazeres de subisistência, especialmente abraçado pelo carinho dos demais acolhidos da comunidade, e refletindo sobre fé, trabalho e vida, Lucas iniciou a criação de um novo solo.
 
“Para dançar a céu aberto, olhando pras estrelas em chão batido sabe? pra dançar debaixo das árvores”, disse.
 
Ainda na fazenda, encontrou um dicionário e procurou o verbete onde este  aparece como sínônimo de caráter, conjunto de bens e haveres, dinheiro tesouro público, espaço rural destinado a grande cultura, mulher bonita, tecido, mercadorias.
 
“FACIENDA” do latim gerúndio de faciere. Face, Facer, fazer, fazeres, afazeres, afeito, afeição, afeto, feto. Ao sair da fazenda, permaneceu na pesquisa a partir das experiências de lida diária com o campo, horta, fogão a lenha e os cachorros que corriam por toda a propriedade.
 
Por meio de um financiamento coletivo que segue aberto, o coreógrafo procura engordar a Vakinha para a estreia neste fim de semana com o solo  “FACIENDA”: uma dança celebração húmus sapiens, de sabedoria de lida com a terra, de agradecimento ao sustento que vem da coleta do plantio, do cultivo.
 
Dias 6 e 7 de Agosto à partir das 17:30 na Casa Cuiabana (Av General Valle ao lado do Pronto Socorro) para vermos o sol se pôr juntos

Ingressos a $20 ou meia solidária $10 + doação de Alimento não perecível e itens de higiene destinados ao coletivo Casa das Pretas para distribuição.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet