Olhar Conceito

Quarta-feira, 01 de dezembro de 2021

Notícias / Cinema

'As mãos Beneditas de Justina'

Vida de quilombola do Mata Cavalo é retratada em documentário que será lançado nesta terça

Da Redação - José Lucas Salvani

13 Abr 2021 - 14:30

Foto: Teo de Miranda/Divulgação

Vida de quilombola do Mata Cavalo é retratada em documentário que será lançado nesta terça
A vida da quilombola Justina Ferreira da Silva, da comunidade Mata Cavalo, é retratada em um documentário que será lançado nesta terça-feira (13), às 19h, no canal do YouTube da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT). “As Mãos Beneditas de Justina” faz parte de um projeto contemplado pelo edital Conexão Mestres da Cultura, financiado pela Lei Aldir Blanc.

Leia também:
Coral UFMT canta Milton Nascimento e Fernando Brant em novo vídeo no YouTube

A produção audiovisual conta com a participação da comunidade Ribeirão do Mutuca no Quilombo Mata Cavalo, em Nossa Senhora do Livramento. Lugar este que Justina vive e pertence, como ela mesma diz no documentário.  "Aqui eu nasci, aqui eu vivi, aqui eu vou morrer, mas com muita garra, que hoje, estou sendo uma mulher reconhecida, para contar a história para o meu povo. O que eu passei, mas não morri", frisa.

Justina conta o  que viveu e como procura repassar para os mais novos o conhecimento herdado de seus pais e avós. Para a comunidade, ela é um patrimônio vivo, uma mãe de todos. Ela é referência em tudo o que é feito na comunidade, e da forma mais humilde ensina a todos com a sua sabedoria.

Além do documentário, a história de Justina Ferreira poderá ser conhecida em uma exposição virtual, que também será divulgada nesta terça-feira. A exposição conta com imagens de João Almeida, Téo Miranda e de alguns membros da própria comunidade: Rayane Vitória da Silva, Eduarda Karolyne Ferreira Brito, Eliana Letícia da Silva, Graciele Evangelista da Silva, Wenderson David Ferreira da Silva e Samuel Felipe dos Santos, que foram capacitados durante uma oficina audiovisual realizada durante a execução do projeto.

A curadora da exposição, Gilda Portela, conta que a ideia é que a mostra seja transpassada pelo espírito da reciprocidade, solidariedade e pelo trabalho coletivo que enxergamos na vida de Justina, e que manteve viva a comunidade Ribeirão do Mutuca. As fotografias foram feitas e selecionadas neste clima juntamente com os jovens quilombolas expositores e parte da equipe executora do projeto.

Não somente o documentário e exposição virtual, o projeto que homenageia Justina também resultará em um livro que está em processo de edição.

Serviço

A partir do dia 13 de abril de 2021, às 19h (horário de Mato Grosso)
Para visitar a exposição virtual: www.acorquirim.org.br
Documentário: Canal Secel-MT no Youtube
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet