Olhar Conceito

Segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Notícias / Literatura

Historiadora de Cuiabá reúne cartas enviadas para ex-presidente Lula e transforma em livro

Da Redação - José Lucas Salvani

24 Out 2020 - 10:30

Foto: Reprodução

Historiadora de Cuiabá reúne cartas enviadas para ex-presidente Lula e transforma em livro
A autora e historiadora Ana Maria Marques, de 53 anos, resolveu reunir 60 cartas que mandou para Luis Inácio Lula da Silva durante o período em que o ex-presidente esteve preso na sede da Polícia Federal (PF), em Curitiba (Paraná), entre abril de 2018 e novembro de 2019. “Cartas Para Lula Livre” é uma obra que traz o íntimo da autora, que acompanhou as visitas de Lula em diversos cidades do país antes da prisão, como também esteve presente nas vigílias na sede da PF.

Leia mais:
Fotógrafo lança livro com fotos analógicas da Festa de São Benedito ao longo dos anos

“Eu decidi que ia escrever uma carta para ele. Me predispus a escrever uma carta por semana. Só que eu e nem ninguém fazia ideia de que ele ficasse preso durante tanto tempo. Foram 580 dias de prisão. As cartas foram se formando. Deu esse conjunto de 60 cartas durante esse tempo que ele esteve preso”, explica ao Olhar Conceito. “Eu nunca escrevi com a intenção de publicar, obviamente, mas lá pela segunda metade das cartas, eu acho que já tinha um volume que, na verdade, eram uma leitura do Brasil naquele momento”, completa.

As cartas enviadas a Lula detalham o cotidiano no Brasil, já que Ana descrevia o que estava acontecendo no país. A primeira carta foi enviada para a sede da PF no dia 10 de abril de 2018. Lula foi solto no dia 8 de novembro de 2019 e, devido as movimentações que indicavam sua soltura, Ana decidiu encerrar os envios no dia 20 de outubro de 2019 porque não queria que a carta retornasse para ela.

No fim, o ex-presidente Lula respondeu as correspondências da historiadora com o prefácio "Carta Para Ana Maria", presente na obra. “Acontecia alguma coisa e eu dizia ‘ah, vou contar para o Lula isso’. Eu dava vida a esse personagem que não me respondia. Inclusive, parecia que eu era pessoa íntima, mas não era.  Eu que o transformei em íntimo. Quando eu parei de escrever, como eu tinha uma rotina semanal de escrever cartas, ficou um vazio. Mas com a publicação do livro, a editora ComPactos fez contato com a assessoria do Lula e conseguiu que ele escrevesse o prefácio. Então, eu não poderia ter tido melhor resposta”.



Ana acompanhou ao máximo os últimos passos de Lula antes da prisão. Quando o mandado de prisão foi cumprido, a historiadora ainda participou de duas vigílias. A primeira vez foi durante o natal de 2018, e permaneceu na vigília por uma semana, enquanto a segunda vez aconteceu na data de aniversário de um ano de prisão.

“Para mim, foi um aprendizado pelas vezes que estive na vigília e conheci de perto a militância. Não só a militância do PT, sobretudo também o Movimento Sem Terra, que foi a [militância] mais participativa no movimento. Muita gente jovem, do campo e simples que dedicou a vida, largou as coisas que estava fazendo para se dedicar a essa vigilância de um líder, que o considero um grande líder”, conta.

Na primeira carta enviada para Lula, que pode ser lida na íntegra aqui, Ana Maria se apresenta a Lula e conta que foi uma das fundadoras do Partido dos Trabalhadores (PT) em Nova Trento (Santa Catarina), nos anos 90. Além de demonstrar uma grande gratidão ao ex-presidente, ela ainda detalha como foi o dia 7 de abril de 2018, quando ele foi preso. Na data em questão, ela acompanhou tudo pela televisão.

“No momento derradeiro da sua prisão, quando você se despedia das pessoas na saída do sindicato dos metalúrgicos de São Paulo, no sábado, 7 de abril, eu queria muito te dar um abraço. Cada pessoa que você abraçava e beijava e eu via pela TV, ficava pensando que queria ser eu. Eu sei que era um gesto seu para representar o quanto ama as pessoas, então, me senti amada também. Mesmo agora tão distante, em Cuiabá, onde moro há 10 anos e atuo como professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)”, detalha em trecho da carta.

Ana Maria Marques é historiadora e professora da UFMT. Para adquirir “Cartas Para Lula Livre”, basta entrar em contato com Ana pelo email: anamariamarques.ufmt@gmail.com. O livro será lançado na próxima terça-feira (27).

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet