Olhar Conceito

Sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Queimadas: um perigo também para o coração, explica cardiologista

Dr. Juliano Slhessarenko

13 Ago 2020 - 16:01

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Queimadas: um perigo também para o coração, explica cardiologista
Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, IOCI (65) 30387000 e Espaço Piu Vita (65 )30567800.

Mais de 100 incêndios florestais estão atingindo partes do pantanal, incluindo um perto de Cuiabá, que cresceu e se tornou o maior incêndio da história do estado.

Incêndios tão vastos criaram pesadelos logísticos e preocupações com a saúde dos residentes ao seu alcance, bem como dos bombeiros que trabalham 24 horas por dia para apagar as chamas.

Leia também:
Você ganhou peso durante a pandemia? Saiba quais são os riscos para o seu coração
 
Mas a fumaça que paira sobre o nosso estado se  espalhou muito além das fronteiras estaduais. O Serviço Meteorológico Nacional diz que a névoa viajou milhares de quilômetros - alcançando outros estados.
 
Embora a exposição à fumaça de incêndios florestais tenha sido associada a problemas pulmonares, evidências recentes sugerem que também pode causar problemas cardíacos ou complicar os existentes.
 
Um estudo publicado encontrou uma ligação entre a fumaça dos incêndios florestais em 2015 e um aumento do risco de ataques cardíacos e derrames, e uma piora dos sintomas de insuficiência cardíaca e ritmos cardíacos irregulares.
 
O estudo descobriu que as visitas ao pronto-socorro para doenças relacionadas ao coração aumentaram, principalmente entre os pacientes idosos, em dias de fumaça intensa. As descobertas apontaram para um aumento nas quantidades de partículas finas, ou as peças minúsculas de poluição do ar normalmente produzidas pelo tráfego de veículos e usinas de energia.
 
Respirar essas partículas aumenta a inflamação no sangue. Afeta o sistema nervoso autônomo, o que pode contribuir para a instabilidade da pressão arterial ou aumentar a frequência cardíaca.  Também existe a possibilidade de que as partículas também afetem a forma como o sangue coagula. E uma das marcas dos ataques cardíacos e derrames é que eles estão associados à coagulação do sangue.
 
À medida que esses incêndios florestais ficam maiores, os contaminantes não são apenas os contaminantes naturais - ou os subprodutos naturais da queima de madeira - eles agora são os subprodutos da queima de casas, carros queimados e toda a infraestrutura por trás das comunidades, como linhas de eletricidade e gás.
 
Sim, a fumaça é um problema, mas existem muitos outros fatores que afetam a saúde cardíaca dos bombeiros florestais.  Por um lado, eles têm horários inconsistentes com longos períodos de trabalho, então nosso sono é ruim, o que significa que os períodos de recuperação não são tão bons. Pesquisas com mulheres mais velhas mostram que a privação do sono pode aumentar o risco de doenças cardíacas.
 
A pesquisa foi limitada sobre o efeito real da fumaça de incêndio na saúde cardiovascular de bombeiros e pessoas que vivem perto de incêndios florestais, principalmente porque é mais complicado de medir do que algo como os efeitos de curto prazo sobre a função pulmonar. Por exemplo, entre os bombeiros florestais, a função pulmonar pode ser medida antes e depois que os trabalhadores começam seu turno - ou no início e no final de uma temporada de incêndios.
 
As pessoas que vivem em áreas próximas ou na fronteira com a fumaça devem consultar o índice de qualidade do ar de sua região, especialmente o nível de partículas, no site de monitoramento.  As  pessoas sensíveis à poluição do ar exterior - como aquelas com doenças cardíacas ou pulmonares - devem tentar evitar a exposição à fumaça ficando em ambientes fechados com as janelas fechadas e o ar condicionado ligado.  Usar um filtro de partículas de ar de alta eficiência - ou HEPA - também ajuda.
 
Embora nem todos tenham a mesma sensibilidade à fumaça de incêndios florestais, ainda é uma boa ideia evitar respirar a fumaça, se puder.  E quando a fumaça é densa, como pode ocorrer nas proximidades de um incêndio florestal, é ruim para todos.
 
A fumaça é composta de uma mistura complexa de gases e partículas finas produzidas quando a madeira e outros materiais orgânicos são queimados.  A maior ameaça à saúde causada pela fumaça são as partículas finas.  Essas partículas microscópicas podem penetrar profundamente em seus pulmões.  Eles podem causar uma série de problemas de saúde, desde ardência nos olhos e coriza até doenças crônicas cardíacas e pulmonares agravadas.  A exposição à poluição por partículas está até ligada à morte prematura.
 
Algumas pessoas correm mais risco

É especialmente importante que você preste atenção aos relatórios locais de qualidade do ar durante um incêndio, se você tiver:

- uma pessoa com doença cardíaca ou pulmonar, como insuficiência cardíaca, angina, doença isquêmica do coração, doença pulmonar obstrutiva crônica, enfisema ou asma.

- um adulto mais velho, o que aumenta a probabilidade de você ter doenças cardíacas ou pulmonares do que pessoas mais jovens.

- cuidar das crianças, incluindo adolescentes, porque seus sistemas respiratórios ainda estão em desenvolvimento, eles respiram mais ar (e poluição do ar) por quilo de peso corporal do que os adultos, são mais propensos a praticar atividades ao ar livre e têm maior probabilidade de ter  asma.

- uma pessoa com diabetes, porque é mais provável que tenha doenças cardiovasculares subjacentes.

- uma mulher grávida, porque pode haver efeitos potenciais para a saúde para você e para o feto em desenvolvimento.

Segundo a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, a fumaça das queimadas não prejudicam apenas o meio ambiente, mas também a saúde humana.
 
As partículas provenientes das queimadas, ao serem inaladas, passam pelo sistema respiratório, atingindo o pulmão e, em consequência, a corrente sanguínea, a partir da qual pode gerar problemas cardiovasculares. O monóxido de carbono também é nocivo à saúde.
 
Não há muito o que fazer para se proteger da fumaça, mas se recomenda que se fechem janelas e portas e se umidifique o ambiente, usando vasilhames com água, toalhas molhadas ou equipamentos de umidificação. Caso surjam sintomas como falta de ar, dificuldade de respiração, alteração do ritmo cardíaco ou mal-estar, recomenda-se procurar um médico.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet