Olhar Conceito

Quinta-feira, 09 de abril de 2020

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Especialista afirma: homens vão menos ao cardiologista e morrem cinco anos antes das mulheres

Dr. Juliano Slhessarenko

17 Fev 2020 - 15:33

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, IOCI (65) 30387000 e Espaço Piu Vita (65)30567800

Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, IOCI (65) 30387000 e Espaço Piu Vita (65)30567800

Em comparação com as mulheres, eles evitam ir ao médico, pular exames mais recomendados e praticar comportamentos de risco. Eles também morrem cerca de cinco anos antes, vivem com mais anos de problemas de saúde e têm taxas mais altas de suicídio. Agora, com o crescente reconhecimento de que o tratamento de causas evitáveis ​​de morte e invalidez poderia diminuir a diferença de gênero médica, o setor de assistência médica está montando um novo impulso para levar os homens aos cuidados de que precisam.

Leia mais:
Doenças cardíacas: especialista cita sintomas que os jovens ignoram
 
Os  homens se conectaram a idéias de masculinidade que dizem que você não fala com os outros sobre seus problemas e, se houver um problema, você mesmo resolve.
 
Nada disso sugere que as mulheres não tenham suas próprias desvantagens médicas. Elas são duas vezes mais propensas a morrer dentro de 30 dias após um ataque cardíaco do que os homens, com evidências sugerindo que elas  podem ser tratados de forma menos agressiva. Algumas condições que afetam as mulheres são incompreendidas ou minimizadas pelos médicos há anos, incluindo doenças autoimunes e fibromialgia.
 
Mas as mulheres têm um histórico muito mais forte no que diz respeito aos cuidados regulares, em parte porque geralmente passam de seus pediatras para novos relacionamentos com ginecologistas, que costumam servir como médicos de atenção primária. Os homens, no entanto, podem não procurar outro médico depois dos pediatras até os 50 ou 60 anos.
 
Os homens têm o hábito de evitar consultas médicas, a menos que tenham um problema que realmente atinge o lar, como disfunção erétil ou micção dolorosa, dizem os especialistas. Assim, os urologistas começaram a usar essas visitas como uma chance de procurar sinais de problemas de saúde mais amplos e levar os homens a marcar consultas com outros especialistas.
 
Um homem pode passar décadas sem consultar um médico, mas quando está tendo problemas com ereções ou acordando três vezes durante a noite para urinar, ele procura atendimento médico.Precisamos olhar além dessas reclamações iniciais sobre o que poderia estar levando a isso, quais problemas não reconhecidos você tem e como poderíamos cuidar melhor de você.
 
Usando a tecnologia para evitar constrangimentos

Um dos maiores obstáculos para os homens que procuram tratamento é que eles simplesmente relutam em falar sobre problemas de saúde íntimos.
 
Em pesquisas realizadas como parte de uma campanha educacional lançada em 2016 para incentivar os homens a discutir questões de saúde que eles acham difíceis de discutir,descobriu-se que metade dos homens diz que simplesmente não fala sobre sua saúde.  Quando discutem a saúde, é mais provável que se gabem de ferimentos de "heróis", como um braço quebrado de uma queda de bicicleta.
 
E há relutância em procurar atendimento, mesmo com alguns problemas masculinos urgentes: menos da metade dos homens entrevistados disseram que procurariam um médico se experimentassem uma ereção dolorosa.
 
Envolvendo os cônjuges
 
Em uma  pesquisa de 2018 da Cleveland Clinic da Cleveland Clinic, 83% das mulheres concordaram com a afirmação "Encorajo meu cônjuge / pessoa significativa a verificar sua saúde uma vez por ano".  Mas 30% dos homens pesquisados ​​concordaram com a afirmação: "Não preciso de exames anuais de saúde com um médico, sou saudável".
 
Um estudo publicado no ano passado no Journal of Health and Social Behavior descobriu que, em casais heterossexuais, as mulheres costumam fazer grandes esforços para coagir os homens a fazer exames.  Às vezes, os problemas não tratados eram irritantes a ponto de criar uma tensão no relacionamento.
 
Há alguma evidência de que as coisas podem estar melhorando.  Uma pesquisa da Academia Americana de Médicos de Família constatou que mais de um em cada três homens - em comparação com um quarto de uma década atrás - diz que seu parceiro tem uma influência significativa sobre ir ou não a um médico.
 
Os homens brasileiros vão menos ao médico do que as mulheres.
 
Segundo a última Pesquisa Nacional de Saúde, divulgada pelo IBGE, apenas 63,9% dos homens procuraram um profissional médico nos 12 meses anteriores à entrevista, contra 78% das mulheres.
 
Em função disso, o que vemos na prática é que as mulheres costumam viver em média 7 anos a mais do que os homens. Infelizmente, muitos só procuram o médico quando sentem algum sintoma ou desconforto e na maioria das vezes, por insistência de uma mulher — como a esposa, a mãe ou a filha.
 
Desde a década de 1980, as mortes por doenças cardiovasculares nos países desenvolvidos diminuíram constantemente.  Cerca de 50% desse progresso é devido à melhoria da prevenção primária, começando com uma avaliação dos fatores de risco do paciente.
 
Doença cardíaca não apenas 'questão do homem'
 
Muitos de nós pensam que os ataques cardíacos são a doença de uma pessoa idosa que geralmente afeta os homens, mas, de fato, as doenças cardiovasculares, que incluem ataques cardíacos, derrames, insuficiência cardíaca e problemas com válvulas, são os assassinos número um no país e paradoxalmente mais jovens.  as mulheres têm pior sobrevida após um ataque cardíaco em comparação aos homens mais jovens 
 
O estudo europeu descobriu que os pacientes menos avaliados quanto aos fatores de risco para Doença cardiovascular eram pacientes do sexo feminino atendidos por médicos de clínica geral, com uma chance 44% menor.  O estudo descobriu que, quando uma paciente era vista por uma médica, havia 28% menos chance de ser avaliada quanto ao risco.
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Justo
    18 Fev 2020 às 13:54

    Chegou seu dia e hora, nao tem médico que segura, conheço gente que acabou de sair de um chek up está tudo normal e bate com as botas.

  • PRIME
    18 Fev 2020 às 08:45

    CLARO: o HOMEM não tem TEMPO e nem DINHEIRO para gastar com medico. "MOTIVO" e tudo GASTO com MULHER e filhos.

Redes Sociais

Sitevip Internet