Olhar Conceito

Sexta-feira, 29 de maio de 2020

Notícias / Literatura

Construções indígenas em Mato Grosso são destaque em livro de arquitetura suíço

da Redação - Isabela Mercuri

14 Fev 2020 - 17:00

Construções indígenas em Mato Grosso são destaque em livro de arquitetura suíço
Um livro de arquitetura publicado pela editora suíça Birkhäuser traz diversos modelos de construções exemplares de todo o mundo. Dentre eles, está a casa Bakari, construção indígena presente em Mato Grosso. Arquitetura Vernacular - Atlas para Viver em Todo o Mundo (em tradução livre) foi publicado em inglês pela editora suíça Birkhäuser, que integra o hall de marcas da editora científica global De Gruyter, sediada em Berlim, Alemanha.

Leia também:
Arquitetos dão dicas para otimizar e decorar espaços em apartamentos alugados
 
O livro é formado por 32 capítulos sobre arquitetura vernacular na Europa, Ásia, Oceania, África e América, escritos por mais de 40 autores. Dentre eles, está o arquiteto e urbanista José Afonso Botura Portocarrero, que foi quem decidiu falar sobre a Bakari, a arquitetura da edificação e a tecnologia para construí-la.

O livro remonta a centenas de anos, e cita, por exemplo, a low german house ou casa baixa alemã, também conhecida como Fachhallenhaus, feita de madeira, combinando alojamentos e celeiro sob o mesmo teto, ou ainda a casa minka japonesa e as formas usuais das edificações encontradas no sul do Marrocos.

Portocarrero é professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Faet (Faculdade de Arquitetura, Engenharia e Tecnologia) e coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisas Tecnologias Indígenas (Tecnoíndia), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).
 
Ele também esteve, e está, à frente de diferentes projetos com a Fundação Uniselva, como a ampliação da Escola Sesc no Pantanal, em Poconé, a implantação da Usina Fotovoltaica, também no Sesc Pantanal, e a obra sustentável do imóvel número 1.060, na rua 13 de Junho, Centro Sul de Cuiabá, com 3 mil m2 de área construída, pertencente a Agência de Fomento do Estado de Mato Grosso S/A (Desenvolve MT).
 
O convite para integrar o livro veio de Christian Schittich, organizador. Portocarrero conta que escolheu como exemplo a casa Bakairi para resgatar a memória e produzir o primeiro registro imagético da habitação. "O Karl von den Steinen [expedicionário alemão que esteve no Xingu em 1884 e 1887] viu essa casa e morou nela alguns dias. Ele descreveu a casa Bakairi muito interessantemente, mas ela nunca mais foi vista, nem desenhada ou fotografada. Então, peguei a descrição dele e fiz uma aproximação, primeiro com os meus desenhos e depois com a arte final finalizada pelo José Maria Andrade. É uma casa grande, com cerca de oito metros de altura. Hoje, os Bakairi não fazem mais a casa nessas dimensões e com essa descrição", explica.
 
O livro está à venda AQUI.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Adilson Rodrigues da Silva
    22 Fev 2020 às 16:23

    Muito lindo o projeto arquitetônico nesse desenho

  • Realista
    19 Fev 2020 às 13:57

    Que bacana receber essa informação documental de um feito realizado no passado remoto por um dos nossos povos originários! Parabéns aos organizadores desse trabalho, e em especial ao professor da UFMT, Jose Afonso Botura Portocarrero, integrante do grupo de realizadores do livro citado na reportagem.

  • Henrique
    16 Fev 2020 às 09:23

    Gostaria de saber o titulo exato. Obrigado.

  • Julio
    15 Fev 2020 às 22:06

    Fariseu, vai catar o que fazer, índio não tão nem ai pra reconhecimento em Arquitetura, deixa os cara em paz, para de problematizar tudo, tu já ajudou os Bakararí???

  • Dinah Guimaraens
    15 Fev 2020 às 17:09

    Livro fantástico quero comprar como posso encontrar?

  • fariseu
    14 Fev 2020 às 20:40

    Nada de apropriação cultural. será que parte das vendas irá para a etnia Bakairí?

Redes Sociais

Sitevip Internet