Olhar Conceito

Sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Notícias / Música

Orquestra e Coral da UFMT se apresentam juntos em concerto de aniversário da instituição

da Redação - Isabela Mercuri

09 Dez 2019 - 17:01

Foto: Divulgação

Orquestra e Coral da UFMT se apresentam juntos em concerto de aniversário da instituição
A Orquestra Sinfônica e o coral da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) se apresentam juntos nesta terça-feira (10) no Concerto Especial de Aniversário de 49 anos da instituição. O espetáculo será no Teatro a partir das 20h, e os ingressos, gratuitos, serão distribuídos duas horas antes na bilheteria do local.

Leia também:
Musical de Natal 'Incomparável' tem ensaios abertos ao público nesta semana

“[O encontro] é muito rico porque permite que a gente aborde outras tonalidades musicais que juntam a música instrumental e a coral. É complicado montar porque cada um dos grupos tem sua temporada, tem suas ideias próprias, mas no deste ano eu e a Dorit Kolling conversamos e combinamos de unificar as ações com um programa que nos trouxesse prazer, alegria e simbolizasse uma época do ano importante. É uma oportunidade nova de se reanimar, de fazer música nova”, aponta o maestro Fabrício Carvalho. Segundo ele, a união é uma formação nobre na música sinfônica, porque dá vazão a uma construção textual que une a música instrumental e vocal.

Dorit e Fabrício se conhecem há trinta anos. “Ela foi banca do meu concurso para ingressar como flautista. Nós temos uma parceria bastante sólida e duradoura, de muito respeito e carinho por tudo que ela representa no movimento coral brasileiro como professora e maestrina”, afirma Fabrício. “É uma honra muito grande e uma alegria pra UFMT ter uma maestrina e professora como Dorit Kolling, que tem formado nos últimos 30 a maioria dos regentes corais de Mato grosso. Para mim também, pois é uma amiga e parceira com quem divido ansiedades e construímos programas juntos”, completa.

Como convidados, participam do encontro a soprano Iasmin Medeiros, o barítono Talles Matos, a mezzo soprano Helen Luce Campos e o cineasta Luiz Marchetti. “Iasmim Medeiros é cria da UFMT, foi nossa aluna e é um dos principais nomes da regência do canto mato-gorssense hoje. Vindo de Minas, o Talles Matos é servidor da Universidade, recém ingresso no último concurso. Já a Helen Luce Campos é professora de canto do Departamento de Música da Faculdade de Comunicação e Artes”, conta o maestro.

“O outro convidado especial não é da UFMT, mas tem uma ligação muito profunda conosco, que é o cineasta Luiz Marchetti. Ele vai fazer a narração de duas obras, marcando sua estreia frente à Sinfônica e o Coral num momento fantástico. Tem sido uma experiência muito bacana porque ele traz sua vivência de teatro e de cinema para uma formação musical. Tem sido um encontro muito rico da nossa parte e tenho certeza que da parte dele porque é uma experiência nova”, relata.

Repertório

O programa do Concerto de Aniversário começará com “Carmina Burana”, de Carl Orff, regido por Dorit Kolling. “É uma obra dificílima que a maestrina rege com genialidade”, conta Fabricio Carvalho. Os manuscritos que deram origem à cantata foram encontrados em 1803 no convento de Benediktbeuern, na Bavária alemã. Os cantos profanos foram escritos alternando latim medieval, alemão e provençal por monges errantes e desiludidos com as corrupções do clero.

Na sequência, os grupos apresentam “Magnificat-Alleluia”, peça sacra de Heitor Villa-Lobos, composta em 1958 em homenagem ao Papa Pio XII. A obra contempla a passagem bíblica da visita de Maria para Isabel, sua parente, descrita no Evangelho de São Lucas, com a oração “Minh’alma engrandeçe ao Senhor”.

“Terras de Manirema”, música de Ronaldo Miranda e texto de Orlando Codá, retrata um ambiente paradisiaco e lúdico, com todas as características conservadas, mas que sucumbe ao desregramento do uso e acaba por não existir mais.

O espetáculo se encerra com a “Cantata de Natal” de Ricardo Tacuchian. Nela o autor procurou criar um clima de Natal fluminense e carioca, com as lapinhas que interpretam o sentimento do catolicismo popular do Rio de Janeiro, sem perder o caráter universal da festa.

“Esta cantata está sendo montada em três lugares específicos e quatro montagens: duas no Rio de Janeiro, uma em Minas Gerais e uma em Mato Grosso. Ricardo Tacuchian está completando 80 anos este ano é um dos principais compositores brasileiros. Ele e Ronaldo Miranda estão vivos e é muito importante para música brasileira fazer compositores vivos e ambos desejarem boa sorte para gente”, conta o maestro.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet