Olhar Conceito

Segunda-feira, 09 de dezembro de 2019

Notícias / Comportamento

Parada da diversidade espera 20 mil pessoas e vai debater mercado de trabalho para os LGBTQI+

da Redação - Isabela Mercuri

14 Nov 2019 - 14:04

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Parada da diversidade espera 20 mil pessoas e vai debater mercado de trabalho para os LGBTQI+
A 17ª edição da Parada da Diversidade Sexual acontece no próximo sábado (16), com o tema ‘Resistência, Amor e Luta’. São esperadas cerca de 20 mil pessoas e, desta vez, um tema colocado em discussão será o mercado de trabalho para pessoas LGBTQI+.

Leia também:
Em novembro, Parada da Diversidade debaterá mercado de trabalho, previdência e terá feira LGBTI+
 
A concentração começará às 14 horas na Praça Ipiranga, com saída para a Orla do Porto, logo em seguida, onde haverá apresentações artísticas. Dentre as atrações estão Seven, Henderson Santana, Almerinda, Pedro Tavares, Bia Trindade,  Daiely Cristina, Wallazi, drags, artistas da cidade de Cuiabá e do interior do Estado. As apresentações vão até as 23h.
 
A realização do evento é do Conselho Municipal de Atenção a Diversidade Sexual de Cuiabá, com apoio da Prefeitura de Cuiabá. O presidente do Conselho, Valdomiro Arruda, explica que neste ano, além da sexualidade, o movimento estende o debate também à classe trabalhadora. "Vamos abordar questões pertinentes à rotina dos LGBTQI+, especialmente no que diz respeito aos obstáculos enfrentados na área trabalhista", comenta Valdomiro.

De acordo com o vice-presidente da entidade, Clovis Arantes, o encontro é uma maneira de ampliar o espaço de luta, dando visibilidade à causa e levando informação à sociedade. "Continuamos ainda tendo que chamar atenção para o fato de não buscamos privilégios, apenas estamos exigindo igualdade de direitos e respeito às diferenças de cada um".

Na oportunidade, Clovis deixa um questionamento para toda sociedade. "Travestis, homens e mulheres Trans sofrem todos os dias a dor de serem preteridos quando saem em busca de uma vaga de trabalho. Não são poucas as denúncias de abuso, somente por conta da orientação sexual. Isso se apresenta nas mais variadas formas. No Brasil, a expectativa de vida desta população não passa de 35 anos, os problemas começam ainda na fase escolar. Diante disso é preciso perguntar: como seria um mercado de trabalho possível para, de fato, incluir a todos?", pergunta.

A Parada é realizada pelo Grupo Livremente: Conscientização e Direitos Humanos (LGBTQI), Conselho Municipal de Atenção a Diversidade Sexual de Cuiabá (CMADS) e sob a coordenação geral do Conselho Estadual de Educação, União Brasileira de Mulheres, Mães pela Diversidade e Conselho da Juventude (Conjuv).

Serviço

17ª Parada da Diversidade Sexual de Cuiabá
Quando: Sábado (16)
Concentração: Praça Ipiranga
Horário: 14h 
Chegada: Orla do Porto, com shows até 23h

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Elisabeth Moraes
    15 Nov 2019 às 09:24

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Antônio
    15 Nov 2019 às 09:16

    Jamais vou contratar um LGBTQIFACB para trabalhar no meu comércio.... minhas vendas iriam cair significativamente...

  • Luiz Imperial
    15 Nov 2019 às 08:58

    Dizem que não querem privilégio, mas adoram uma cota, bem à moda dos vitimistas. Entendam: Ninguém pode ser obrigado a contratar uma "mulher trans" para trabalhar como depiladora, babá, secretária, nem "homem trans" (que menstrua e tem TPS) como carregador braçal. Na área administrativa, Quem tem competência técnica sempre conquista seu espaço, sem vítimismo.

  • Jane
    15 Nov 2019 às 01:01

    Não somos todos iguais? Por que discutir esse assunto? Tem que ter cota pra lgbt? Não entendo.

  • Fabiologiamt@hotmail.com
    14 Nov 2019 às 21:50

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Jessica Trans
    14 Nov 2019 às 17:42

    só nao entendo essa sigla "LGBTQI " Pra que isso? nao era melhor quando eramos somente "gls"? eu fico passada com essa coisa meu bem, daqui uns dia nem nos vamos conseguir pronunciar nossa sigla com tanta letra e numeros que vão colocar nela! Cruzes, que cafonice. Obrigada

  • Jurema Santiago
    14 Nov 2019 às 16:23

    Pra essa coisa se mobilizam. Pra protestar contra aumento do salário do prefeito, ninguém. Povo brasileiro merece.

  • Zeca
    14 Nov 2019 às 15:06

    Esse aí é mais um ato de desenvolvimento social e cultural criado pelo PT e seus aliados. É o caos!

  • ex pai de encosto
    14 Nov 2019 às 14:49

    Quando vai ser a da maconha? me informem por gentileza. Grato.

Redes Sociais

Sitevip Internet