Olhar Conceito

Quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Notícias / Dr. Elson Adorno - Cirurgia Plástica

Como corrigir lóbulo de orelha rasgado por piercing ou brinco?

Dr. Elson Adorno

01 Abr 2019 - 09:03

Foto: Reprodução

Como corrigir lóbulo de orelha rasgado por piercing ou brinco?
A orelha rasgada, também conhecida como lóbulo rasgado ou lóbulo de orelha bífido, pode até não ser um problema de saúde grave. Entretanto, essa característica pode trazer prejuízos emocionais e psicológicos, pois ele mexe com a autoestima do paciente.

Leia também:
Cirurgião plástico fala sobre o tratamento para rejuvenescer as mãos

A tendência dos brincos grandes e pesados pode ser muito bonita, mas ela não leva em consideração as características anatômicas da orelha. Assim, ela pode causar traumas nessa região, incluindo a laceração completa.

Os alargadores também podem ser uma das causas da orelha rasgada. Assim como os brincos pesados, eles causam uma distensão do tecido do lóbulo da orelha. Com o uso constante, a pressão dos acessórios pode levar à laceração.

A cirurgia para reparar a orelha rasgada é bastante simples. Depois de aplicar a anestesia local, o médico vai fazer a união das bordas do tecido da orelha de forma a corrigir o rasgo ou diminuir o tamanho do furo.

O procedimento dura em torno de 30 minutos. O paciente costuma receber alta no mesmo dia, cerca de uma hora depois do procedimento, sem necessidade de internação. É possível retornar às suas atividades laborais no dia seguinte, assim como às atividades físicas.

O uso de curativos pode ser necessário por um ou dois dias, mas eles são removidos em pouco tempo e a orelha permanecerá exposta logo em seguida. Recomenda-se que o paciente evite a exposição ao sol por 30 dias.

Os pontos costumam ser retirados 10 dias depois do procedimento. Caso o paciente deseje disfarçá-los em alguma ocasião social, é possível fazer isso com o uso de uma fita adesiva para cobri-los.

*Elson Adorno é especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e em Cirurgia Plástica pelo MEC, preceptor do Programa de Residência Médica De Cirurgia Plástica do Hospital de Base de Rondônia, docente do curso de medicina do UNIVAG, diretor e coordenador do curso Advanced Trauma Life Support-ATLS, Núcleo Campo Grande/Cuiabá; instrutor do curso Pré Hospital Trauma Life Support, Núcleo Campo Grande; instrutor do curso Disaster Management and Emergency Preparedness Course- DMEP, Núcleo USP/HC-São Paulo e Instrutor do Curso Nacional de Normatização de Atendimento ao Queimado-CNNAQ.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet