Olhar Conceito

Sábado, 31 de outubro de 2020

Notícias / Artes visuais

Tela de Adir Sodré é rifada para ajudar baterista Sandrão, que sofreu acidente de carro

Da Redação - Isabela Mercuri

25 Mai 2017 - 11:07

Foto: Adir Sodré

São Francisco de Assis de Adir Sodré

São Francisco de Assis de Adir Sodré

Uma tela de São Francisco de Assis, do artista cuiabano Adir Sodré, está sendo rifada para ajudar o músico Sandro Souza, mais conhecido como Sandrão, que sofreu um acidente em março deste ano e está em tratamento em Brasília. As rifas custam R$20, e a obra é avaliada em R$5 mil.

Leia também:
Entre falos, flores e santos, Adir Sodré consolida seu estilo "Neo Qualquer Coisa" para além das fronteiras regionais

Sandro é paranaense, passou a infância em Rondônia, mas viveu em Cuiabá por vinte anos, onde concretizou sua carreira musical. No dia 12 de março deste ano, em Brasília, ele sofreu um grave acidente de carro. “Sandro tinha um Gurgel Supermini e queria ver um amigo colecionador de carros antigos. Após 2 horas com o amigo, ele resolveu voltar pra casa. Cansado pelas tocatas do carnaval e aulas das durante este período, Sandro sozinho no carro, sem perceber, dormiu ao volante. Entrou na contramão na pista em direção a torre de TV Digital, colidindo frontalmente com um Palio 1997. Sandro fraturou a costela, o joelho esquerdo, a mão direita, a mandíbula e o maxilar. Levado pelo helicóptero dos bombeiros, foi operada de emergência a fratura bucal no Hospital de Base em Brasília, e em seguida ele foi levado para o Hospital Regional de Sobradinho, onde ficou internado por 20 dias até ser operada a mão e o joelho. Hoje Sandro está em fisioterapia em Sobradinho, uma vez por semana”, conta Ana Beatriz Chaves, esposa de Sandro desde 2014.

Desde então, amigos começaram a fazer ações para ajudar o músico, já que ele está sem trabalhar e, provavelmente, continuará fazendo o tratamento por um tempo. “Sandro está parado já há dois meses e ficará mais seis meses sem trabalhar. Além das contas dele continuarem, ele ainda vai gastar muito com tratamentos buco-maxilos, pois perdeu muitos dentes e terá que fazer vários implantes e tratamentos odontológicos para realinhar a boca que ficou torta.  Como será um tratamento longo (de até mesmo anos) ainda não sabemos ao certo quanto gastaremos”, completa a esposa.


Sandro e a esposa Ana Beatriz (Foto: Aquivo Pessoal)

A proposta de rifar a tela veio do próprio Adir Sodré, em parceria com o site Cidadão Cultura. Adir que entrou em contato com Ana Beatriz há três semanas. Ainda não há data para sorteio. Para comprar os números, é preciso depositar na conta da esposa de Sandro, e enviar o comprovante por Whatsapp para Adir pelo (65) 99800 9215.

Quem quiser, pode ajudar Sandro e sua esposa também depositando qualquer quantia em sua conta:

Banco do Brasil
Ana Beatriz Brito Chaves
Ag 3603-x;
CPoupança: 40.968-5
CPF: 001.454.951-40

História

Sandro é baterista, e participou de diversos festivais, como o I Festival de Montedor, em Carreço e Viana do Castelo (Portugal); Festival Pirijazz, em Goiás; Chapada in jazz, em Chapada dos Guimarães; I Festival de Batera e Percussão, em Caruaru. Participou do concurso nacional de bateria “Odery e Modern Drummer”, e ficou em 1º lugar na etapa Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e em 2 º lugar nacionalmente.

Além disso, integrou a Orquestra de Câmara do Estado de Mato Grosso tocando instrumentos regionais acoplados a bateria. Tocou com Leo Gandelman (RJ), André Vasconcelos (RJ), Pedro Vasconcelos (DF), David Feldman (RJ), Guto Wirtti (RJ), Arthur Maia (RJ), Glauton Campello (RJ), Ricardo Yakamura (DF), Carlos Vinícius (DF), Marcio Montarroyos (RJ), Celso Piximga (SP), Marcelo Maia (GO), Chico Sá (RJ), Nema Antunes (RJ), Chico Chagas (RJ), Monique Kessous (RJ) e Ebinho Cardoso (MT).

Em janeiro de 2007, ele participou como instrutor do “Amazon Riffs Project” (Projeto temas musicais amazônicos) em Londres, com a direção do Tim Steiner, professor no Conservatório de Música Guild Hall. Neste trabalho, Sandro Souza representou o Brasil com o ‘rasqueado cuiabano’ e o ‘maracatu pernambucano’. Participou também como instrutor, juntamente com o “Projeto Ciranda – Música e Cidadania”, do “Projeto Florescer”, uma parceria da UNESCO com a Floresteca, realizado em Clarinópolis, interior de Mato-Grosso. Também com o “Projeto Ciranda” participou do “Projeto TIM Música nas Escolas”, um projeto de responsabilidade social da TIM Celular. Ministrou oficina de bateria e apresentou-se com o “Sandro Souza Quinteto” na SEMUS – Semana da Música de Cuiabá no SESC de Cuiabá.

Sandro Souza também promoveu diversos eventos culturais em Cuiabá, como o “1° Circuito de Bateria Estilos e Fusões”, o Workshow do baterista Aquiles Priester, Curso de Bateria “Batera Melódica”, workshops, tributos e shows temáticos. Atualmente Sandro Souza mora em Brasília, onde atua como professor de bateria e ministra workshops: ‘Estilos e Fusões’, abordando técnicas e posições de baqueta, além de sua pesquisa sobre o samba jazz: bossa nova brasileira influenciada pelo jazz norte americano. Pesquisa esta que mostra uma sonoridade genuinamente brasileira, no qual faz parte do trabalho, pratos de bateria históricos (Ziltannan) e baterias Pinguim. Aqui na cidade Capital, tem tocado com músicos como Oswaldo Amorim (baixista), Zé Krishna (guitarrista), Renato Vasconcelos (pianista), Manassés (compositor), Marcio Marinho (cavaco), Junior Ferreira (Acordeom), Pedro Vasconcellos (cavaco), entre outros instrumentistas da cidade.

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet