Olhar Conceito

Sábado, 19 de setembro de 2020

Colunas

Xbox One. Não é mais videogame.

Autor: Vinicius Mania - Especial para o Olhar Conceito*

21 Mai 2013 - 17:10



Nesta tarde de terça-feira (21) um evento em Seattle, EUA,  presentou oficialmente ao mundo o novo console da Microsoft: o Xbox One. Muitos nomes eram cogitados, Xbox 720, Xbox Infinity, mas One (um), mesmo sendo o terceiro console com o nome Xbox tem a proposta de algo novo.

Far Cry 3 blood dragon é a supresa do ano: com cara de anos 80, mas com high definition

O video de abertura do evento mostra os diretores de cinema Steven Spielberg e J.J. Abrahms e Bill Gates falando que “você vai ser amigo da sua televisão”. Penso que já somos velhos amigos, mas o que o vídeo parece querer contar é que a minha TV será mais simpática e irá interagir comigo. Nada mal.

O primeiro apresentador adentra ao palco e apresenta a proposta do novo aparelho que é dita em uma frase que cintila nos monitores do evento: Simples, instantâneo e completo. Então, antes do “é ver pra crer”, vale lembrar que no console atual, o Xbox 360, assim como no Playstation 3, há alguns anos já podemos assistir filmes em HD via streaming, acessar à internet, instalar alguns apps de esportes e notícias, ouvir uma infinidade de músicas, comprar e baixar jogos.

Em alguns países é possível assistir à HBO, ESPN e outros canais pelos consoles. Com o auxílio de um Kinect (um sensor de voz e movimentos) você podia usar gestos e comandos de voz para usufruir desse “centro de entretenimento” e ter uma experiência mais moderna. Além disso alguns celulares podem baixar o app SmartGlass e fazer do aparelho móvel um misto de controle remoto e acessório para jogos e aplicativos. Por exemplo, no game Forza 4, o seu celular vira um GPS ou quando você ouve música, informações do artista e do disco são apresentadas no aparelho. Mas nada disso, ainda mais quando se trata de Microsoft, pode ser chamado de simples, instantâneo e completo.

Samsung Galaxy S4 é lançado oficialmente em Cuiabá nesta terça-feira

O Xbox One surge com a premissa de revolucionar a sala de estar e o quarto de muita gente . E eis que surgem as tão esperadas novidades. O apresentador fala (em inglês) “oi, Xbox” e o console liga. Com gestos simples ele controla uma interface, muito semelhante à atual do Xbox 360 e com voz ele comanda funções com uma rapidez impressionante, como o apertar de um botão. Ele diz “Assistir ESPN”, “Mude para MTV”, “O que está passando na HBO?”, “abra o Guia” e assim troca os canais facilmente.

Chama “game”e depois “tv” e troca tão rápido que é possível descobrir o que eu posso fazer durante os demorados intervalos comerciais durante os próximos anos. Em meio a uma transmissão de um filme o apresentador chama pelo Internet Explorer e acessa informações sobre o elenco na mesma tela. Vendo uma partida de basquete ele chama estatísticas ao vivo do jogo, do campeonato e da sua “liga fantasia”.

Tudo lindo, mas resta saber como isso tudo funcionará no Brasil, se o preço desse serviço de TV por assinatura será exorbitante como de costume e se a concorrência oferecerá algo semelhante. Imagine você acompanhando seu Cartola F.C ao vivo assistindo ao Brasileirão. A TV será o seu brother.



Mas isso é só o começo. Fala-se de imersão, envolvimento emocional, quase uma humanização do seu videogame. O sensor Kinect agora faz parte do console, ele vai te reconhecer físicamente, identificará sua voz e vai saber quando você está cansado ao praticar exercícios físicos na frente da tela. Uma exclusividade: com a camera (full DH) do Kinect você poderá usar o Skype ao mesmo tempo que realiza outras atividades, inclusive em conversas em grupo, algo inédito. O console usará o sistema de armazenamento Cloud, possibilitando gravar programas de TV e registrar seus momentos de jogatina. Por sua vez, outro apresentador acrescenta melhorias na parte estrutural. Pode-se destacar que o console terá um novo joystick “desenvolvido por gamers”, HD de 500 GB e leitor de Blu Ray (que até então era exclusividade do PS3).

Nessa hora do evento os fanáticos pela linha Playstation da Sony deveriam estar roendo as unhas de leve, já que o que foi anunciando até então era relativo à interatividade e entretenimento (justamente o ponto fraco da apresentação do PS4). Porém a grande facada da Microsoft na rival Sony viria a seguir: os games, é claro. Espera-se uma semelhança muito grande entre a qualidade gráfica dos games do Xbox One e PS4, assim como ocorre na geração atual.

Porém três anúncios devem ter causado alvoroço na comunidade gamer. O primeiro é da desenvolvedora Eletronic Arts, que prometeu conteúdos exclusivos para o Xbox One. Durante a apresentação da EA viu-se a qualidade dos gráficos dos futuros jogos de esporte, que se aproxima muito das animações feitas para o cinema, com movimentações suaves e realistas e ambientes super detalhados.

Depois de uma sequência de tirar o folego de qualquer fã da popular série de futebol Fifa, entra no palco um pessoal da equipe de games da Microsoft. Eles apresentam o novo game de corrida Forza 5 e introduzem Quantum Break para logo anunciar que farão 15 games no primeiro ano dessa geração, sendo 8 franquias novas, e arrancam aplausos da platéia. Isso significa que o volume de lançamentos para o console novo deve se manter em igualdade com o do atual, o que não aconteceu nas mudanças de gerações passadas e acabava por frustrar os compradores dos consoles, além de gerar um atraso enorme na popularização do aparelho (o Xbox 360 saiu em 2005 mas suas vendas só atingiriam um grande volume três anos depois).

Pra encerrar a parte de games, Call Of Duty: Ghosts, um lançamento já esperado e com imagens divulgadas na internet, anuncia que será lançado primeiro para o Xbox One. Pronto, aí inaugura o “xororô“ gamer da próxima geração. A Microsoft mostra mais uma vez que é boa em parcerias e terrível contra os concorrentes. Fora a parte dos jogos, Steven Spielberg foi anunciado como o diretor de uma série televisiva “interativa” adaptada do game Halo e encerrando o evento é apresentada mais uma parceria, dessa vez com a liga de futebol americano, a NFL, que promete pensar numa maneira de “mudar o esporte de forma intensa”.

Não foi falado nada sobre o Ilumiroom, um projetor de imagens em 3D que promete usar o espaço do ambiente da casa pra criar efeitos especiais. O Xbox One deve ser lançado até o final do ano e mais novidades serão apresentadas na feira E3 entre 11 e 13 de julho, em Los Angeles.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Deomar Almeida
    27 Mai 2013 às 16:59

    Só colocando mais informações, o que mais me deixa revoltado com a situação do novo XBox é que parece que ele não foi feito pensando para sua principal funcionalidade que seria jogos. Tem um Video no Youtube, falando da apresentação resumida do Xbox, depois da uma procurada é engraçado.

  • Deomar Almeida
    27 Mai 2013 às 16:57

    Caro, Vinicius. É bom saber que você leu. Enfim o que quis colocar é que nós brasileiros estamos de mãos atadas ao meu ver em relação ao novo Xbox, visto que o mesmo apresenta muitas funções que não poderemos usufruir caso venhamos a usufruir temo pela qualidade. Em relação ao PS4, digo que tenho mais preferência pelo mesmo visto que venho acompanhando o desenrolar dessa Novela Xbox e PS e a Sony parece estar conduzindo certo desta vez. Se formos pelo achismo, diria que a M$ ta fazendo o papel com o Xbox One o que a $ony fez com o Ps3. O Por que do Xbox fazer tanto sucesso no BR ao meu ver é a pirataria, por que se não fosse ela o Xbox não ia ter tanto mercado, vide o PS2 a sony lançou um produto fácil de ser pirateado e tão logo tornou-se uma potência dentro do BR e por que não outros países por causa da pirataria.

  • Vinicius Manià
    22 Mai 2013 às 16:30

    Caro Deomar, vi que você é um grande entendedor do assunto, então vamos lá. Realmente, sobre CoD Ghosts a sua informação está correta. Eu acompanhei a cerimônia ao vivo por streaming e me confundi na tradução. A data de lançamento do game é 5 de novembro tanto pra Xbox One quanto para PS4, o que foi dito mesmo foi que os pacotes de DLC serão lançados antes para Xbox One. Sobre a interação do console com a TV à cabo (digital na verdade) imagino o mesmo que você. Por isso fica essa incógnita no ar. Será que poderemos usufruir como os norte-americanos irão? Quero acreditar que sim, mas ainda estamos longe disso ocorrer de fato. Sobre os jogos usados, eu acompanhei o que vem sendo dito sobre isso. Existe muita especulação sobre esse assunto ainda, mas preferi não falar sobre isso para me ater mais ao que foi falado no evento. Mas é um assunto para ser discutido sim, em outro momento, com mais atenção. A respeito questão dos gráficos, sabemos que a evolução da programação de computação gráfica se dará progressivamente e que isso varia de jogo pra jogo e de empresa pra empresa. Alguns jogos não vão usar tantos recursos gráficos quantos outros. Tenho um PS3 e um Xbox360, não me considero fanático por nenhuma empresa. Como esse artigo é sobre o anúncio do Xbox One (a coluna não existia quando aconteceu o anúncio do PS4), não tive a intenção de fazer esse tipo de comparação mais detalhada. Obrigado pela sua participação e espero que continue acompanhando a coluna! Abraço!

  • Deomar Almeida
    22 Mai 2013 às 08:31

    Fico me imaginando onde estar a imparcialidade na sua coluna a respeito da apresentação do novo XBox, da para entender que você um FanBoy da M$. Em momento algum da apresentação de COD: Ghosts foi informado que sera lançado primeiro no XBox e sim que as futuras DLCs serão lançadas primeiro o que já ocorre hoje, lança primeiro para o XBox depois para PC e PS3. Onde você coloca a respeito da intereção do console com a TV a Cabo, resta saber como ira funcionar no Brasil? Eu digo não ira funcionar no Brasil, por que o Xbox foi pensando no Mercado Americano. Ainda complento resta saber se funcionara no resto do mundo, por que mesmo sendo uma TV paga existe uma grande diferenca entre a deles e a do resto do mundo, então prevejo que não será tão bem aproveitado assim no resto do mundo. Você foi tão imparcial que esqueçeu de informar que todos os jogos comprados usados ou trocados, você ira ter que pagar uma taxa para usar em uma Nova ID na live, além de pagar o jogo, pagar a Live Plus você vai pagar mais uma taxa para a M$ para poder rodar um jogo original usado. Você disse que os graficos são parecidos com o do PS4 você assistiu a apresenteção do PS4? Por que eu acredito que não, você viu apenas uma pequena parte de um jogo que parece ser exclusivo para a plataforma da Sony? Deep Down? Killzone 4? Hummm, acho que não. Sim realmente os Multi serão parecidos devido a nova arquitetura, mais o que sera realmente perfeito vão ser os exclusivos. Você não se deu o trabalho nem de colocar o Hardware e o Software do novo XBox para fazer uma comparação para dizer que sera melhor em Hardware do que o PS4. Mais vamos lá. XBOXONE: Proc: 8 octacore AMD Mem: 8GB DDR3 PS4: Proc: 8 Octa Core AMD Jaguar APU Mem: 8GB GDDR5. Como colunista deveria saber que de DDR3 para GDDR5 existe um abismo muito grande, e é essa a sacada da Sony. Os exclusivos. Você fala que era exclusivo do PS3 o leitor Blu-Ray, realmente em console sim mais em computadores após o lançamento já tinha leitores blu-ray, a M$ só fez o que era sabido usar a midia da concorrente em seu sistema, pagando para a Sony. Enfim, não quero defender mais seria mais sabido da sua parte ser mais imparcial e deixa de lado esse seu fanatismo falando que vai ser melhor, sem ao menos fazer uma pequena comparação de hardware e esperar o lançamento para afirmar.

Redes Sociais

Sitevip Internet