Olhar Conceito

Quinta-feira, 21 de março de 2019

Colunas

Eclipse lunar total em 20 – 21 de janeiro e Super Lua em 21 de janeiro

Autor: Telma Cenira Couto da Silva

10 Jan 2019 - 09:45

No final da noite do dia 20 de janeiro e no começo da madrugada de 21 de janeiro um eclipse lunar total poderá ser observado em todo o Brasil desde que as condições meteorológicas permitam.

Um eclipse lunar ocorre quando a Lua, na fase cheia, adentra na sombra que a Terra produz no espaço. O eclipse total da Lua ocorre em diversas etapas. Inicialmente ocorre um eclipse penumbral, seguido por um eclipse parcial – quando a Lua parece estar “mordida”, e, posteriormente, pelo eclipse lunar total propriamente dito, a fase da totalidade, quando a Lua fica totalmente encoberta pela sombra da Terra. Após um determinado tempo ocorre um novo eclipse parcial – quando a Lua parece estar “mordida” do lado oposto ao do primeiro eclipse parcial, e, finalmente, um outro eclipse penumbral.

Porém, o eclipse penumbral não é observável para a população, já que, nessa etapa a Lua apenas diminui o seu brilho. A expectativa de observar um eclipse penumbral pode criar frustração. Verifiquei isso quando organizava eventos públicos de observação de eclipses lunares.  Embora o eclipse penumbral seja uma das etapas de um eclipse lunar, muitos sítios internacionais de divulgação de Astronomia já não costumam citar o horário em que este ocorre preferindo mencionar apenas o eclipse lunar a partir do início do primeiro eclipse parcial até o final do segundo eclipse lunar parcial. Se algum observador notar alguma sombra ou escuridão na Lua durante o eclipse penumbral, pode ter certeza que serão nuvens, comuns nesta época do ano, e não uma escuridão relacionada ao eclipse.

Esse eclipse lunar acontecerá durante a vigência do horário de verão. Como diversos estados não aderiram ao mesmo, há que se atentar ao horário local desse evento.

Para os residentes no Acre e algumas cidades do oeste do Amazonas tais como Atalaia do Norte e Benjamin Constant – entre outras que seguem o fuso horário do Acre – a parte visível do eclipse, ou, o primeiro eclipse parcial, começará às 22h33 do dia 20 e, às 23h41 iniciará a fase da totalidade – ou o eclipse total da Lua propriamente dito – quando a Lua fica completamente dentro da parte mais escura da sombra que a Terra produz, denominada umbra.  O máximo da totalidade acontecerá à 0h12 do dia 21 de janeiro, quando a Lua encontrar-se -á mais próxima do centro da sombra da Terra. A totalidade terminará à 0h43 e, logo após, começará o segundo eclipse parcial que terminará à 1h50. Nesse horário terminará a parte visível do eclipse lunar.

Para quem se interessar, nessa região o primeiro eclipse penumbral começará às 21h36 do dia 20 e terminará quando começar o primeiro eclipse parcial, 22h33 desse dia. O segundo eclipse penumbral começará logo após o segundo eclipse parcial e terminará às 2h48 do dia 21. Por opção, no texto que se segue só será divulgado o horário em que o público poderá visualizar o eclipse lunar. Os interessados no eclipse penumbral deverão acrescentar uma hora a mais para o horário acima descrito em cada um dos parágrafos abaixo.  A margem de erro de todos os horários citados é de, mais ou menos, um minuto.

Os habitantes do Amazonas, exceto os municípios desse estado que seguem o horário do Acre, os de Rondônia e os de Roraima observarão o primeiro eclipse parcial a partir das 23h33 do dia 20 até  à 0h41 do dia 21, quando começará a totalidade, que terá o  seu máximo à 1h12 do dia 21. A totalidade findará à 1h43. Logo após, começará o segundo eclipse parcial que terminará às 2h50.

Para os moradores de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amapá, Pará, Tocantins e todo o nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe), o primeiro eclipse parcial começará à 0h33 do dia 21 até à 1h41, quando começará a totalidade, ou, o eclipse total da Lua, cujo máximo ocorrerá às 2h12. A fase da totalidade terminará às 2h43, seguida pelo segundo eclipse parcial que terminará às 3h50m.

Os que têm domicílio no Distrito Federal, em Goiás, e, nas regiões sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo), e sul do Brasil (Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina), observarão o primeiro eclipse parcial   à 1h33 do dia 21 até às 2h41, quando iniciará a totalidade, que alcançará o máximo às 3h12. A totalidade, ou o eclipse total da Lua terminará às 3h43, seguida pelo segundo eclipse parcial que findará às 4h50m.

É interessante ressaltar que durante esse eclipse a Lua estará se aproximando do perigeu, que é o local da órbita da Lua em que ela fica mais próxima à Terra.  O nosso satélite alcançará o perigeu aproximadamente às 18h (19:59 UTC) no horário de Brasília, então, em 21 de Janeiro haverá uma Super Lua, que é observada maior pelo fato da Lua estar mais próxima ao nosso planeta. Por uma questão de ilusão de ótica a Lua parece maior quando está próxima ao horizonte e, por isso a Super Lua será melhor observada quando estiver se levantando no final da tarde do dia 21. Porém, a Lua já estará esplendorosa na madrugada do dia 21, mais uma vez, se as condições climáticas permitirem.

Ultimamente tem-se denominado um eclipse lunar total como “Lua de Sangue”.  Alguns justificam o nome utilizado porque a Lua fica vermelha, da cor de sangue.  A verdade é que, no máximo, a Lua fica avermelhada, e, dependendo da composição da atmosfera no dia do eclipse lunar total, a Lua pode ficar alaranjada, ou amarronzada, por exemplo.

Aparentemente o nome “Lua de Sangue” tem sido usado para despertar mais interesse popular sobre a matéria. Porém, há o outro lado da questão.  Pessoas simples e muito religiosas ficaram temerosas de observar a última “Lua de Sangue” – tratada como tal por diversos veículos de comunicação – em 27 de julho de 2018 que, para a maioria dos brasileiros, foi apenas um eclipse lunar parcial.  Uma pessoa muito simples disse-me que não iria observar uma coisa do “demônio”, e que, essa “lua de sangue”  existiria por causa do comportamento da humanidade.  A sua igreja havia proibido os fiéis de observarem o evento!

A expressão “Lua de Sangue” foi usada inicialmente por dois pastores John Hagee e Mark Biltz   que fizeram previsões apocalípticas para o último eclipse de uma sequência de quatro eclipses lunares totais que ocorreram num intervalo de seis meses entre cada um deles –  denominado  tetrada lunar –  nos anos de 2014 e 2015. Naturalmente, as suas previsões falharam. E, a próxima tetrada lunar só acontecerá nos anos de 2032 e 2033. Portanto, o eclipse lunar total de janeiro de 2019 não será uma “Lua de Sangue”, assim como não o foi o “eclipse do século” de 2018.

Um eclipse lunar total é um evento bonito, corriqueiro em Astronomia, não causa mal algum à visão, pode ser observado a olho nu, e não traz nenhum malefício à população.
 
Telma é doutora em Astronomia (IAG – USP) e professora aposentada da UFMT.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ferst
    15 Fev 2019 às 10:26

    Você é foda e inspirou milhares de profs. Espero q esteja em paz. ??

  • ERCINHO DE ALMEIDA LARA
    23 Jan 2019 às 15:10

    PARABENS Telma

Redes Sociais

Sitevip Internet